quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Confissões Eróticas: A Enfermeira e o Virgem


















Eu estava de voluntária no Hospital. E naquela manhã havia derrubado suco no jaleco.
Por isso coloquei uma roupa de enfermeira que havia comprado no sexshop da minha amiga Márcia. Claro que ao entrar no Hospital horas depois minha roupa chamava atenção. Um vestido branco e curto até as coxas com apenas um zíper que ia do colo até o comprimento das coxas. Um bolso do lado esquerdo com uma cruz em vermelho, meias 7/8 brancas (com cinta- liga e tanguinha não visível, claro...rs), sapatos de salto alto e um chapeuzinho branco com uma cruz vermelha também. Enquanto me dirigia ao quarto 44 do paciente Luke; um rapaz que havia acabado de sair da adolescência (18 anos), os médicos e enfermeiros (aqueles que não eram gays) me olhavam de cima a baixo com cara de gato com vontade de comer o canário...
Entrei no quarto e olhei o adolescente triste deitado na cama.

- Oi Luke, meu nome é Ayeska. Está melhor?. – ele havia sido operado das amígdalas há 2 dias e no dia seguinte teria alta.

- Oi... – respondeu desinteressado me olhando, até que seus olhos escuros se arregalaram. – Você...você é enfermeira? Nossa, nunca vi uma como você! – e sentou-se na cama.

- Sou voluntária. – dei –lhe um copo com água e um antibiótico.

- Você é muito bonita...

- Ora, obrigada. Qual o motivo de sua tristeza? Amanhã terá alta. – me aproximei e afastei uma mecha de seus cabelos da testa.

- Minha namoradinha...

- O que tem ela?

- Terminou comigo. Disse que não sou bom...- seu rosto ficou vermelho. Logo entendi e evitei deixa-lo mais embaraçado. Mas, não deu tempo logo em seguida ele disse:

- Sou virgem...

- Ah é? Hum...- o avaliei; era uma graça, meigo, magro, estatura mediana, cabelos e olhos escuros e pelo lençol, interessante..rs

- Posso dar uma sugestão? – ele me olhou com interrogação no olhar.

- Qual?

- Eu posso te ajudar... – respondi.

- Po...pode?

- Sim posso. Mas não aqui. Vou te dar meu endereço e se quiser perder sua ...bom, você sabe o que. Estarei a sua disposição. – rapidamente peguei um papel e caneta da prancheta que havia colocado na mesa e escrevi meu endereço e número do meu telefone.

- Posso te pedir uma coisa, Ayeska?

- Sim.

- Você colocaria esse uniforme se eu for? – pediu vermelho.

- Claro. – me aproximei de seus lábios e dei-lhe um beijo suave e rápido.

- Aguardo você, tchau. – e saí do seu quarto.

Uma semana se passou e cheguei a me esquecer de Luke, até que recebi seu telefonema.
Marcamos em minha casa. E como pediu coloquei o uniforme de enfermeira.
O interfone tocou e fui atender. Era Luke. De camiseta, calça jeans, tênis e com um ramalhete de rosas vermelhas na mão.

- Puxa, não precisava... – fiz sinal para que entrasse e coloquei o ramalhete de rosas sobre a mesinha da sala de Tv.

Ao abraça-lo tive que ficar na pontinha do pé e dei-lhe um selinho, meus seios por baixo do uniforme sem sutiã intumesceram e os bicos ficaram arrepiadinhos.

- Venha, quero que conheça minha casa. – o peguei pela mão e percebi que estava suada. “Hum ele estava nervoso”.

Peguei o ramalhete de rosas e na cozinha coloquei em um vaso com água e em seguida mostrei-lhe a casa.

- O que quer fazer? – perguntei. notando que sua calça jeans estava com um volume bastante proeminente na braguilha.

- Quero você... – me respondeu, olhando nos meus olhos.

Nossa!!! Senti tesão e um arrepio no meu corpo, minha boceta melou na hora, senti como se o fluxo sanguíneo tivesse se concentrado nela, deixando-a toda inchada e pulsando. Ah ...estava com tesão e queria sentir o pau do Luke dentro do meu corpo.
Pegando em sua mão fomos para o meu quarto. Chegando lá, liguei o som baixinho enquanto ele sentava em minha cama, encostado na cabeceira.

- Luke ,se despe enquanto faço um strip para você... -coloquei uma música do Joe Cocker ;“You Can Leave Your Hat On”, perfeita para isso.

Com sensualidade, meneios, fui fazendo o strip e tirando aos poucos o uniforme de enfermeira.

Ao término da música eu e Luke estávamos nus. Seu pau ereto, seu corpo magro.

Nos aproximamos e nos beijamos. Minha língua mais experiente brincava com a dele, minha boca sugava sua língua. Ofegantes nos olhamos.

Seus olhos desceram e fitaram meus seios redondos com os bicos vermelhos.

- Já chupou um biquinho antes? Já acariciou um seio? – perguntei

- N...Na...Não...nunca... – gaguejou, sem graça, mas sem desviar os olhos dos meus seios.

Minha xoxota melou mais ainda e nossas respirações mais ofegantes.

O levei até a cama e o fiz deitar. Seu pau ereto. Vesti-lhe com carinho uma camisinha...e o carinho foi tanto que seu pau pulsava quente e duro. As bolas inchadas.

Montei nele, senti seu pau duro encostado na minha xoxota depiladinha, sem pelos, lisinha, dei uma reboladinha para encaixar bem.

“Hummm que tesão...”

Segurei com as mãos meus seios e o deixei olhar fascinado para os montes brancos de bicos vermelhinhos.

Senti seu pau pulsar e os olhos extasiados em meus seios.

O puxei em minha direção e lhe beijei demoradamente, passando minha língua bem devagar e sugando de leve, explorando toda aquela boca macia e quente, nos beijamos por alguns minutos. Eu sugava mais forte aquela língua e às vezes levemente, deixando-o doidinho.

Minha boceta pulsava, comecei a me esfregar, apertando-a cada vez no seu pau duro e gostoso. Meu grelinho esfregando e inchando. Eu já estava quase gozando. Então parei e peguei em suas mãos , direcionando-as nos meus seios pra ele apertar. Ele amassava , apertava tão gostoso, e saber que ele nunca tinha feito aquilo me deixava mais tesuda.

Mexendo o quadril novamente, puxei sua cabeça encaixando sua boca no meu biquinho arrepiado.

- Ahhh assimm...chupa os biquinhos...suga...ohhhhh com vontade...me deixa louca...mmm...deliciaaa...issooo...

Ele bolinava um seio com uma mão e sugava o bico do outro . Enquanto eu me esfregava no seu pau mais e mais. Estava louca de tesão. Louca para ser fodida por aquele pau novinho na minha xoxota apertada e melada.

Luke sugava, chupava, lambia e apertava com vontade meus seios e bicos, instintivamente mexia o quadril como se estivesse me fodendo, esfregando gostoso na minha boceta que escorria.Passava as mãos em seus cabelos, arranhava suas costas e o senti ficar todo arrepiado quando comecei a passar minha língua no lóbulo da sua orelha. Ele gemia, mas não parava de lamber e sugar os bicos dos meus seios. Meu tesão era tanto que minha boceta pulsava , contraia-se sem parar e totalmente melada; molhava seu pau.

Tirei sua boca do meu seio e o beijei com mais tesão e ele beijava bem gostoso, uma boca macia e quente. Eu rocei o meu corpo contra o dele e gemendo falei:

- Sua namoradinha já te chupou? - ele balançou a cabeça negativamente.

- Quero chupar seu pau, Luke...antes de você me foder...quero ouvi-lo gemer bem gostoso e quero que goze na minha boca.

Me ajoelhei na cama e segurei seu pau com minhas mãos macias e pequenas.

Tirei a camisinha, estava melada do meu suco.




Minha boca estava com água na boca pelo pau dele. Comecei a lamber da base até a glande, minha língua bem molhada, fiquei olhando pra ele, seus olhos reviravam e fechavam, ele encostou na cabeceira da cama e se largou. Chupei, suguei a glande e aos poucos fui descendo devagar, até enfiar o pau todo na minha boca, ele gemeu alto, retesando os músculos, soltei e fui chupando de leve, com a outra mão alisava seu pau, dava lambidas nele todo, chupei as bolas uma por uma e voltei a engolir o pau, mais forte e mais rápido, batendo uma com a outra mão. Aumentei o ritmo e gemia com aquele pau na boca, ele abriu os olhos pra me olhar . Olhando-o fixamente, comecei a sugar o pau todo pra minha boca. Seu tesão era tanto que aquele moço virgem, fodia minha boca, cada vez mais rápido, seus gemidos ficaram mais curtos, seu corpo com espasmos até que senti seu pau pulsando na minha boca e jorrando aquela porra direto na minha garganta. Estava cremosa e quentinha, engoli tudo e depois lambi seu pau inteirinho. Chupando-o como se fosse um pirulito muito doce...rs

Deitei-me ao seu lado e o olhei sorrindo.

Sua respiração voltava ao normal e senti suas mãos acarinhando meus cabelos lisos e vermelhos.

- Você tem cabelos tão bonitos. Macios e finos como de um bebê... – ele me disse olhando-me com adoração.

Seu rosto estava lindo! Radiante como se tivesse ganhado um presente muito, mas muito especial.

Sentia minha boceta molhada e louca para senti-lo dentro de mim...

Ia deixar de ser virgem...eu o faria feliz na sua primeira vez!



* Dedico a primeira parte desse conto para Luke, meu anjo lindo e amigo!

Postado originalmente em 02/09/2009.

Escrito por Ayesk@

domingo, 17 de agosto de 2014

Seu Prazer...é o meu Prazer...

Na boca trago mistério...
Na boca sacio meus desejos...
Na boca mato a tua vontade!!!

~Rosane Lima~



Minha boca...pequena, mas gulosa...
Quero envolver, lamber, saborear, chupar, degustar 
Até que sua essência exploda
E minha boca você  alimenta...

~Ayesk@~


E no final...Seu Prazer é o Meu Prazer...


Beijos doces molhados de você

Ayesk@

MEU TESÃO TEM DONO!


Eu gosto da Noite...é durante a noite, sozinha, em meu quarto que dou vazão aos meus desejos por você.

Penso em como poderia ser , estar em seus braços, sentir sua pele quente em contato com a minha, nossas respirações, seu corpo envolvendo o meu.

Na minha cama, na imensidão dela, deitada sozinha, ao fechar meus olhos, imagino o que quero fazer e o que quero que faça comigo...

Eu te quero tanto...te procuro em sonhos, pensamentos...minha mente viaja e meu corpo sedento pelo seu, minha boca sedenta pela sua, meu tesão por você...

Numa noite chuvosa, deitada em minha cama, deixei mais uma vez o tesão por você tomar conta de mim...

Eu e você, subíamos as escadas para um terraço.Eu abria a porta. Lá fora caia uma chuva suave. A porta nem tinha sido fechada e você já estava tirando as calças e fazendo gestos para que eu me despisse.

— Tire a roupa — ordenou — quero ver você...

Olhando em seus olhos enquanto tirava minha roupa em gestos lentos e sensuais, os bicos dos meus seios arrepiavam devido o friozinho e a excitação.

Observava-me enquanto deslizava a calcinha pelas coxas.

Eu podia sentir seus olhos cravados em mim, minha xoxota úmida de tesão, contraindo-se, faminta pelo seu sexo ereto.

Tremia sob o frio da chuva. Você, no entanto, parecia insensível à temperatura enquanto caminhava em minha direção. Parou, observando-me como se fosse uma estátua posta ali para o seu próprio deleite. Logo, depois de analisar o resto do terraço e escolher um lugar, fez-me pôr as mãos sobre a parede de tijolo, com as costas arqueada e o traseiro para você.

Sem prévio aviso introduziu seu pênis. Separou minhas nádegas e avançou, a arredondada ponta de seu membro deslizando-se entre meus lábios, sondando, acariciando-me por dentro.

A mescla de sensações era indescritível, um tesão de sonho.

A umidade do tijolo sob as palmas das minhas mãos.

As luzes da cidade ao nosso redor criando um resplendor quase mágico.

A chuva caía sobre minha pele nua em um ritmo incessante. Meu corpo se acostumando já ao frio e a chuva era como música de fundo enquanto fazíamos amor.

Você empurrou ainda mais e eu pensei que estava chegando a lugares inexplorados de minha feminilidade. Podia sentir como meus músculos se fechavam ao redor do seu pau, sem que pudesse fazer nada para evitá-lo, como se desejasse lhe arrastar ainda mais dentro de mim. Meu corpo tinha vontade própria e, embora a tormenta era cada vez mais forte, uma calidez infinita me percorria.

Arqueei as costas para que você pudesse penetrar-me mais fundo, mais forte.

Queria sua marca em mim. Ser sua como nenhuma outra já houvesse sido.

Você emiti um som, algo a meio caminho entre um grunhido animal e um gemido de prazer em meus ouvidos..

Minha mente funcionava a toda velocidade enquanto seu membro viril, ereto, fodia, comia, estocava, penetrava, forte, intenso; minha xoxota úmida e apertada.

Abaixo de nós, a rua estava cheia de gente. Se olhassem para o terraço, poderiam ver meus seios nus, meus cabelos vermelhos alvoroçados emoldurando meu rosto e sua boca entreaberta de puro prazer. Mas ninguém levantou a vista, e pensei que, escondidos sob seus guardas-chuvas, ninguém tinha motivo algum para olhar para cima, para o chuvoso céu noturno. O vento era cada vez mais forte e arrastava consigo os seus gemidos. Mas ninguém parecia interessado em procurar sua procedência.

“Tome-me e nós seremos um só — pensei. — Me penetre mais fundo. Me atravesse. me tome! Possua-me! me faça sua!!"

A chuva deslizava por minhas bochechas como lágrimas. Meu cabelo se agitava em um selvagem baile com o vento. E, enquanto VOCê caía sobre MIM uma e outra vez, EU e meu corpo respondendo a suas investidas, inclinando a cabeça para trás e gritando.

Gostava de fazer daquela forma. Nunca havia sentido uma liberação como aquela. Gostava de me soltar de forma selvagem nos seus braços, te arranhar, te morder, te chupar, sentir sua pele, seu cheiro...seu gosto...

Você alcançou o clímax e, levado pela paixão do momento, fincou os dentes no meu ombro com força suficiente para deixar sua marca. A dor se mesclou com o prazer e eu gozei com você, gozamos juntos, em uníssono, tremendo enquanto as contrações percorriam meu corpo. Fechei os olhos e você, meu tesão, meu desejo, me abraçou com força, mantendo nossos corpos juntos.

O frio penetrou em minha consciência rapidamente e tive que esfregar os braços para manter-me quente. Se separando de mim, recolheu meu vestido e ajudou-me a vesti-lo. O fino tecido se aderiu a minha pele molhada e não ajudou a proteger meu corpo. Sem uma única palavra, corremos de volta , molhando as escadas.

— Ducha — você disse, só uma palavra. Te segui até o banho, me despi novamente e entrei na ducha com você e esperei. Alternamos sob o jorro de água quente. Eu girei sobre mim mesma, com os olhos fechados, e deixei a água ensopar meu cabelo. Seus braços rodearam minha cintura e me atrairam para si.

Estava de novo excitado.

Jamais teria imaginado que seria capaz de fazer amor outra vez, tão logo, e senti que me fraquejavam as pernas enquanto você me penetrava por trás. Ainda estava molhada pelo nosso encontro no terraço, meu sexo depravado e maleável como se estivesse fabricado em cera temperada.

Desta vez você o fez mais lentamente. Esfregou seu corpo contra a minha pele e me empurrou contra a parede. Procurou com as mãos meus seios, arranhou meus mamilos, dedilhou-os até que pensei que já não podia suportar mais tanto prazer.

— Você gosta— perguntou-me com um sorriso nos lábios, enunciando o que era óbvio — Seu corpo me diz exatamente o que quer. — Agarrou um sabonete e o deslizou sobre a minha pele nua, entre as costelas, sobre meu ventre e até meu sexo. Apertou com força a barra contra meu clitóris enquanto continuava penetrando-me por trás. Eu estava a ponto de gozar.

Deixou cair o sabonete e em seu lugar utilizou os dedos. Pôs o polegar e o índice um a cada lado do clitóris e logo o beliscou. Tinha os dedos escorregadios pelo sabão, a água e outros fluídos, mas aquilo não fez mais que jogar ao meu favor. Enquanto tratava de encontrar um ponto ao qual agarrar-me, seus dedos continuaram me apertando os lábios e roçando o clitóris, provocando com isso pequenas explosões de prazer.

Seguiu penetrando-me enquanto com uma mão me masturbava. Eu desfrutava ao mesmo tempo das duas sensações que mais ansiava experimentar. Cheia de sua enorme virilidade e acariciada por aqueles dedos tão sábios. Cada vez que acreditava ter chegado ao meu limite, você se retirava sutilmente, deixando-me a bordo do clímax durante o que pareciam ser horas.

Ao final você sussurrou ao meu ouvido:

— Agora! Goza agora para mim!!...Goze!!!..Quero seu gozo...só para mim!...

Nossos gemidos ressonaram entre as paredes de azulejo do banheiro. Eu gozei de forma tão intensa e um segundo depois rompi a chorar.
Sentia como se meu corpo tivesse sido pulverizado, golpeado pela chuva, o frio do terraço e logo esquentado sob a calidez da ducha; para finalmente, ser enrolado de novo pela paixão DELE!

As duas sessões, no telhado e na ducha, tinham sido muito distintas, e em ambas tinha alcançado o orgasmo. Se tivesse tido que escolher qual tinha gostado mais, não teria sabido o que dizer...Pena que era apenas um sonho...Pois minhas noites tem nome...Meu tesão tem dono...VOCÊ!





Escrito por Ayesk@

postado originalmente em 19/02/2011.

quinta-feira, 22 de maio de 2014

BDSM - Siga seu coração, mas, use sua cabeça...

Uma Verdadeira submissa, não é criada através das páginas de fãs de ficção...
Ela, nasce...

Um Verdadeiro Dominador, não é treinado em salas de chats...
Ele, nasce...


Uma cena "BDSM" não cria nenhum dos dois...


Isso é SEXO Bizarro...


Uma Verdadeira submissa não é "submetida" ou "conquistada"...

Ela escolhe...



Portanto...Siga o seu coração, mas, use sua cabeça...



Beijos doces,

Ayesk@

Crédito das Imagens: Tumblr.

domingo, 18 de maio de 2014

Imagens que Excitam

Tem gente que critica imagens em gifs em Bloggers , eu as acho extremamente excitantes...mexem com a libido e a imaginação.




Fazer um boquete e olhar nos olhos dele...aaaa...é bom demais!!! E muito excitante...


Um anal hard...



para cima, para baixo...sem parar...
 



Hmmm...puxando os cabelos e metendo...mmm...



E terminando...com um mènage, onde quem leva a melhor é ele!!!rs



Boa semana!



beijos doces

Ayesk@

HQs Star Wars

Princesa Leia como você nunca viu...

Um Stormtrooper Imperial...
Brincando durante o descanso...


Princesa Leia, em estranha posição...rs

Hans Solo, brincando na espaçonave...

ótimo domingo!!!

Beijos doces,

Ayesk@

Prasks melhor que Clicksense, Neobux e demais...


Oieee Pessoal!!!
Há quanto tempo!
Antes de mais nada, quero agradecer os leitores fixos do Blog, obrigada pelo carinho!!!
Ando navegando, fazendo outras coisas e nada melhor que descobrir também uma maneira de ganhar "din din"... rsrs

Através de um amigo, descobri algo melhor que "Clicksense", "Neobux" e outros PCTs.

Prasks...é fácil, você se cadastra sem investir nada, ou em caso de investimento o ganho é maior.
O meu é sem investimento nenhum por enquanto...rsrs

Além de ver alguns vídeos, você responde ou faz perguntas...achei interessante, bom para ver seus conhecimentos.
Para quem perde muito tempo na Internet, não custa nada, você perde poucos minutos do seu dia e ainda ganha um dinheirinho extra!




Não perca tempo, cadastre-se!!!

Link para Divulgação:



Tem gente que adora os PCTs acima que citei, eu mesma já me cadastrei e não gostei.
Então, hoje resolvi trazer o Prasks.

Prasks :Portal de Conteúdo que tem como objetivo tornar-se o maior website de Perguntas e Respostas em diversos idiomas. E ainda lhe paga por isso!!!


Espero por vocês!!!

Beijos e um ótimo domingo a todos!!!

Ayesk@ de Alexandre

sábado, 18 de janeiro de 2014

Viver...

Viver, e não ter a vergonha de ser feliz
Cantar (e cantar e cantar) a beleza de ser um eterno
aprendiz
Eu sei que a vida devia ser bem melhor e será
Mas isso não impede que eu repita
É bonita, é bonita e é bonita...
 

~Gonzaguinha~

Ótimo findi!!
Beijos doces,

Ayesk@ de Alexandre


sábado, 11 de janeiro de 2014

HQs Eróticas 2014 - Futanari (二成、双成、二形)

Futanari:uma palavra composta que significa "duas formas" em japonês pode significar ambos os sujeitos de um tipo especial de animê pornográfico ou mangá (comumente, mas incorretamente, conhecida no Ocidente como hentai).

Representam hermafroditas, intersexuais ou outros indivíduos com tipos de corpo femininos e órgãos sexuais que se parecem com pênis, se aqueles órgãos são clitóris alargados de fato, ou eles possuem tanto órgãos reprodutivos masculinos como femininos.




Beijinhos doces,
Ayesk@ de Alexandre

O Limite do Prazer

"Quando os limites se tocam
Quando não há limite
Quando juntos somos linha
No limite do corpo
No limite da hora
Atingimos
O limite do prazer.
.."





Mega sábado!

Beijos doces,

Ayesk@ de Alexandre

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Tesão a Flor da Pele! Meninas que adoram brincar com...Meninas!!!

Clitóris ardentes,
Turbilhão de desejos,
Pecados carnais,
Corpos lascivos
Da carne rompe um fogo
E arde na flor concupiscente
Colorindo de sangue vivo
Aonde derrama-se a libido
O tesão à flor da pele
Nos lábios mordentes,
Com arrimo da língua invasora
Convulsiona, torce e retorce
Aos sussurros, gemidos e gritos
O amor, a paixão, o anseio
A fome, a sede e a cobiça
Passam de uma à outra
A troca de líquidos
O mel e a saliva
Boca nervosa
À provar os sabores
Sexo inundado
À prover de néctares
Língua atrevida
Quase cruel, serpenteia
E a flor flamejante
Desabrocha e escorre tesura
Os seios singelos e duros
roçam na pele
Do corpo tomado de ímpeto
Fluem aromas
O sexo entre as duas
É um ópio, um vício
Uma loucura incessante
Do preâmbulo ao termo
E as duas em sopor
Deliciam exaustas
O orgasmo perene
Cessar e abrandar

~Lena Lopez~




Postado por Ayesk@ de Alexandre