sábado, 8 de outubro de 2011

Série: Mistérios de Darukian - VII



VII



O último dos sete relatos é um fato muito inusitado e raro, de acordo com minhas pesquisas.

"Branca, olhos grandes e hipnotizantes. Pele branca, seios médios. Muito rabo, potencial igualmente grande. Formação de discípula/aprendiz. "Derrota". Monitoramento e aconselhamento. Quarto. Despedida"

Após isso, o último dos relatos que posso mostrar até agora.

"Essa foi uma das raras "derrotas" e "discípulas/aprendizes diretas" de Darukian. Ela catou o Darukian pelo rabo. E que o rabo (o dela)! Tão grande e lindo quanto seu potencial. O ceifador achou-a em seu quarto, com jeito de inocente, mas ao usar seu olhar penetrante (não só o olhar) percebeu tudo que estava latente (e latejante) e tratou de ensiná-la “as artes”, para oferecê-la à deusa e assim alegrá-la.

A ela foram ensinadas quase todas as artes sacroprofanas a serem aprendidas por uma aprendiz de diva-meretriz: Entreter um homem na lábia tão bem quanto uma gueixa, massagear tão bem quanto uma tailandesa, usar os seios tão bem quanto uma espanhola, saber se portar tão bem quanto uma diva, ser tão luxuriosa quanto uma puta, lasciva como uma meretriz. Ainda ensinou sobre a arte de dominar, dobrar e até adestrar, caso queira, um homem usando um olhar sedutor e penetrante, o poder de sua xana ou alguma das habilidades citadas. Além disso, havia ainda sua arma principal, quase sempre mortal (e ela gostava de matar): um rabo grande, redondo e usado para rebolar e seduzir como só uma brasileira poderia saber e só o Darukian poderia avaliar.

Foi dele a iniciativa, e ela cedeu. Aprendeu todas essas e outras artes, devidamente avaliadas por exames orais (xanais, anais, grupais, práticos) muito duros. Exames de resistência para avaliar a capacidade de suportar os rituais e muitos outros tipos de provas. Aprendeu por último, mas não menos importante a habilidade de atingir no mínimo 8 orgasmos por dia, para assim suportar os rituais mais complexos. Por ter aprendido muito, tornou-se um pouco arrogante e se dizia superior às outras divas-puta. Darukian relevava esse aspecto apenas por ela servir muito bem aos propósitos da deusa.

Após certo tempo, Darukian encerrou o aprendizado e deixou-a livre para fazer contrato com quem quisesse. Apenas impôs-lhe a condição de reverenciar a deusa que a protegia e pela qual aprendeu suas habilidades. Diz-se que em seu quarto, sua despedida de Darukian foi algo como:

- Partirei, minha ex-puta, que será oficialmente puta atual de outro, graças aos deuses. Ainda há muitos orgasmos para ceifar, clientes para satisfazer a minha deusa.
- Eu já tenho outra foice... na verdade, sempre tive...irei “afiá-la” agora – respondeu a puta.
- Não é tão poderosa quanto a minha, sabemos disso – riu-se o ceifador.
- Não preciso de poder. Preciso de amor.

- Fique com ele, então. Está muito além de minha jurisdição. Se possuo algo parecido com isso, é meu dever, prazer e felicidade em servir a minha deusa, Lilith. Minhas foices são dela, e apenas dela. Como deusa benevolente, ela as empresta para as mortais e cobra seu preço: que seus orgasmos sejam para a deusa, que o prazer, a luxúria, a sedução sejam alimento e satisfação da deusa. Isso é um contrato inquebrável onde sou um mero instrumento, ainda assim feliz em minha posição junto da deusa.

- Não quebrarei o contrato, delícia – disse dando uma piscada de puta.
- Assim espero, puta. Nunca mais cite meu nome ou foice. Ela não pode te dar o que queres. Só posso dar luxúria.
- Posso citar seu nome a qualquer hora... Darukiaaaan... – gemeu o final.
- Pode gemê-lo a qualquer hora; Mas não pode mais ser atendida por mim.
- Não ligo. Não passarei mais necessidades nem te solicitarei. Já estou domando o meu homem.
- Humanos esquisitos... Até as putas querem o tal “amor”. E finalmente tá saindo da condição de escrava, heim puta? Pelo menos algum resultado o treinamento tinha que dar. Continue dando pra quem quiser, o rabão é teu! Posso ter o da deusa mesmo... aquele rabo que nem com todas as odes seria devidamente reverenciado, nem com todos os rituais é devidamente homenageado... – e ainda falou muitas coisas descritíveis e não-descritíveis sobre o rabo da deusa, com a voz cada vez mais afastada, sumiu nas sombras.”

Aqui acabam os relatos que possuia prontos para divulgação. Ainda existem muitos outros. Imagino que se o Darukian chegou a amar algo, foi a majestosa deusa Lilith e seu “rabo divinamente perfeito”, como é citado em vários lugares. Ainda existem muitos outros. Imagino que se o Darukian chegou a amar algo, foi a majestosa deusa Lilith e seu “rabo divinamente perfeito”, como é citado em vários lugares.





Darukian, O Ceifador de Orgasmos

P.S.:  Algo a comentar? Caia de boca na minha...caixa de comentários uai!


http://oladoinversodasletras.blogspot.com



Escrito por Darukian, Ceifador de Orgasmos
Postado por Ayesk@
Imagem Blog PeleMacia

4 comentários:

Derek Dick disse...

Branquinha, passei pra te deixar beijinhos molhados....e acabei por encontrar este delicioso relato do ceifador!! Adorei...

Bjos
DD

Darukian, O Ceifador de Orgasmos disse...

Ah, a mana-puta. Ela acabou de reaparecer no 17/18 rss. Tá virando personagem do núcleo principal. Quem é ela? Eis o mistério de Darukian

Ayesk@ disse...

Ops...DD, respondi aos seus comentários e esqueci esse...rsrs
Que bom que gostou!!!


Bjs doces molhadinhos!


Ayesk@

Ayesk@ disse...

Darukiannnnnnnnnnnnnnnnn...amei o que li hoje...fiquei orgástica rsrs

Beijos doces carinhosos e uma mega noite!


Ayesk@