segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Série: Mistérios de Darukian - VI





























VI

Esse é o penúltimo dos relatos encontrados até agora. Dizia o seguinte:

"Punição por possessividade. Loira, alta, corpo definido por pole dance. Dupla. Romântica e Masoquista. Quarto."

A partir disso, segue-se outro relato onde misturam-se uma terceira pessoa e uma voz que parece ser a do próprio Darukian.

"Ela foi um problema desde o início, apesar de parecer um trabalho fácil. Era uma puta por duas vezes. Em seu consultório de psicologia, se dizia puta de almas. Em seu interior, gemia uma alma de puta. O problema foi a violação das regras. A deusa não poupa quem viola suas regras.

Ela estava em seu quarto, lendo algo sobre "solidão e sedução". Uma voz interrompeu sua leitura.
- Olá, mulher... "solidão e sedução"...andam juntas...
- Olá...- diz ela, sem espanto, observando o ceifador sair das sombras para a penumbra. 
- Então...desejas companhia e sedução, correto? Não posso realizar o primeiro desejo. Pertenço a-
- Já realizou o segundo...me tome...me leve...
- A única coisa que levo, mulher, são orgasmos para a deusa.


Darukian não quis mais conversar. Passou a foice na mulher. A arrombante, não a cortante. E a mulher gozou dos (ou nos) serviços do servo leal da deusa. Seu erro foi um, e um apenas. Após pedir pra apanhar e ser sodomizada, dominada, esfolada pela foice do ceifador, pronunciou sua desgraça:
- Isso! Você me obedece! Você me serve do jeito que eu quiser! Seu cachorro, seu puto!
- Não, puta...você é que me serve...e não o contrário.
- Isso é o que você pensa...

O Ceifador bateu (com mãos e foices) na mulher pela insolência, estuprou-a, arrombou-a, fodeu-a e recolheu uma quantidade anormal de gozo da cliente, indo embora e deixando-a cheia de marcas e leite depica, resquícios frequentes do contrato.




























Darukian se foi, precisava de outras clientes, mais contratos e orgasmos para sua deusa. A mulher, novamente solitária. chamou,  gemeu e implorou pela volta de Darukian, e por fim, apelou para mais rituais sacroprofanos onde se oferece um rabo para o deleite e banquete do ceifador.

O ritual é muito controverso. Sempre traz deleite aos ceifadores, mas por vezes machuca a oferenda. Neste caso, o deleite da fiel era ainda maior que o de Darukian. Sendo submissa e tendo seu rabo oferecido, mergulhada no prazer, continuava a gemer o nome do ceifador e urrar que ele era seu servo. Seu erro chegou ao limite.

A mulher foi devidamente punida pela deusa, e a ira da deusa não tem piedade de quem tenta roubar sua propriedade. Darukian fez uma terceira e última visita, onde deixou a mulher fartar-se sozinha e não teve nenhum contato com ela. A mulher viu em sonhos todo o potencial de Darukian, utilizado apenas pela deusa. Assim ficou a mulher (a se dedar) pelo resto da vida torturada por aquelas imagens em sua mente, imaginando a próxima vinda do ceifador (e de qualquer outro macho, o que nunca veio a ocorrer).





Darukian, O Ceifador de Orgasmos

P.S.: Pior é que a puta é tão puta que gostou da punição. Gozou também. E você? Gostou? Gozou? Caia de boca nos comentários!


http://oladoinversodasletras.blogspot.com




Escrito por Darukian
Postado por Ayesk@

2 comentários:

Darukian, O Ceifador de Orgasmos disse...

Essa aí se deda até hoje! E lembrem-se, hoje na virada da meia noite, novo capítulo dos mistérios de Darukian. Só digo que o metal estará presente \,,/

Ayesk@ disse...

rsrs Você é um terrorzinho Darukian com essa foice!
Beijos doces carinhosos!


Ayesk@