sexta-feira, 23 de setembro de 2011

As Manobras Sexuais do Chefe



 




Gabriel baixou o copo de wisky na frente dele e apreciou a sensação do álcool descendo pela sua garganta. Olhou para o seu relógio da griffe Italiana Police, impaciente.

" Não via a hora dela chegar...não havia conseguido falar com ela. Sabia que na sua posição não podia dar bandeira...mas ela mexia com os seus sentidos. A última vez que esteve com ela, fora há 03 dias atrás.A imagem dela trajando uma calça jeans preta, uma blusa leve de cor pink ,de manga comprida e capuz deixou sua calça mais apertada na região da virilha. Ela não era como as outras da Delpol, que pareciam modelos em desfile de modas. Ela tinha um estilo próprio e seu jeito chamava a atenção de todos naturalmente, sem artificios. Sabia que o seu Amigo Max estava viajando, mas quando voltasse, já o havia avisado para sair do seu caminho e parar de ve-la. Ele sempre havia esperado que uma garota mudasse seu amigo Max que era um Workaholic. E bem na verdade, Max sabia que na hora que ele conseguisse domina-la ele partiria para uma nova caçada. Ele era assim e ela o instigava pelo seu jeitinho dócil e meigo que aprentava, mas na realidade era gata selvagem que sabia mostrar suas garras quando queria. Era só uma questão de tempo, para ela ficar submissa as suas preferências e ele cansaria dela e procuraria outra que ocuparia..."

Seus pensamentos foram interrompidos pelo toque da campanhia e seu pau enrijeceu só em pensar em tê-la dominada por ele.
Atravessou o hall da sua cobertura e abriu a porta.
Ela estava linda! Trajava uma sainha preta curta, as coxas brancas e as pernas torneadas, uma regata verde-musgo levinha e botinhas marrom, os cabelos soltos e o conjunto todo era deliciosamente apetitoso.

- Oi querida, entre... - senti seu olhar sobre a minha calça jeans desbotada, o botão aberto, segura apenas pelo zíper. - Voce está de sainha, boa menina!
- É estranho vê-lo vestido informalmente, quando o vejo todos os dias de terno...
Ele riu e ergueu a extremidade da sainha curta.
— Nenhuma calcinha, muito melhor. — Boa menina. — Ele afagou minha bunda.
Fiquei olhando para ele, me sentindo como algo descartável, algo que ele possuiria e usaria por uma semana.
— Com medo? - ele perguntou segurando meu queixo para fita-lo nos olhos.
— Não — respondi com descaso.
— Bom, porque queira ou não queira, você é minha e não tem nenhuma escolha querida. Eu que decidirei quando e como acabaremos esse acordo.
Ele colocou a mão na parte de baixo das minhas costas e me ajudou a entrar no apartamento.
Me levou até uma suíte, deixei cair minha bolsa em uma poltrona e dei uma olhada na cama king size, no balde de prata com champagne e duas câmeras de vídeo.

— Então como vai ser isso? – me senti nervosa como se fosse minha primeira vez.
Encheu duas taças de champagne e deu uma para mim.
— Você confia em mim querida?
— Eu não conheço você...isso responde sua pergunta?

Uma das minhas bebidas preferidas é champagne, mas eu não havia comido nada, nervosa com o que me esperava e estava no limite para beber o líquido gelado na taça de cristal. 
Certo, "EU" sabia que ia fazer sexo.

— Você confia em você mesma? — perguntou enquanto olhava para minha postura tensa à medida que segurava a taça em minha mão.
— Sim.
— E seu julgamento é normalmente correto?
Ele tomou um gole de seu champagne, enquanto aguardava minha resposta.
— Geralmente.
— Você teria vindo para mim se pensasse que eu era um sujeito ruim?
— Não, eu não teria vindo aqui se eu pensasse que você me machucaria.
— Bom.
Tomou o copo da minha mão e os colocou em uma mesa perto.
— Me dê sua mão, querida.
— Onde nós estamos indo?
Colocou minha mão na sua.
— Você vai tomar uma ducha.
Me puxou em direção ao banheiro.
— Mas eu já tomei banho. — Isto não era exatamente o que eu esperava. — Vamos tomar um banho juntos?
— Não, não essa vez. Eu quero ver você na ducha. Eu quero ver como você se toca quando suas mãos estiverem lisas com sabão.

"Deus, o que era isso?"

Permiti que ele me puxasse. O banheiro era grande com sua banheira, azulejos brancos cintilantes, espelhos dourados e um chuveiro enorme.

"Quantas pessoas caberiam ali?"

— Estamos sós? — perguntei lembrando-me daquela noite no estacionamento.
— Não haverá mais ninguém para você, somente eu.

Colocou a palma de minha mão em sua boca e a beijou.
— A possessão é, afinal, nove décimos da lei.— Tire suas roupas, Ayeska.
Ele soltou minha mão.
Chegou por trás de mim e começou a me despir.
Conforme ele havia mandado, eu não usava calcinha e nem sutiã.
Sem as botas , fiquei nua. Apenas o escapulário de prata que ganhei de uma amiga adornava meu pescoço, assim como os brincos delicados de prata que usava.
— Eu estou muito ansioso para chupar e lamber cada centímetro de seu corpo, querida.
— Quantos amantes você teve, Ayeska?
Não respondi, mas ele percebeu que eu não havia gostado da pergunta.

Veio por trás de mim e retirou uma filmadora de um dos armários.
— Você vai me filmar?
— Eu sei que você me quer.— ele ajustou as configurações na filmadora.
— Me diga, algum de seus antigos amantes realmente conheceu você?

"Ah, o homem queria seu corpo nu e sua alma."

— Não. Ninguém realmente, nunca me conheceu.
—Isto é uma vergonha. — Ele se debruçou, ajustou a água na temperatura correta, e suavemente me empurrou para o chuveiro.
Logo em seguida puxou uma cadeira e colocou a filmadora em seu olho.
— O que você faz quando está só no chuveiro, querida?
Senti a água morna deslizar suavemente pelo meu corpo. Ele filmava todos os meus movimentos.

" Ah se ele soubesse, como gosto de sentir a água deslizando pelo meu corpo, me envolvendo como um amante..."
Passei o sabonete entre minhas mãos e sorri ligeiramente de lado com ironia.
" Ele queria? Então eu o deixaria excitado."
Passei as mãos ensaboadas pelos meus seios, com os meus olhos fechados massageei os montículos lentamente, meus olhos no homem com a câmera filmadora.
Eu tinha atenção total dele.
Apertei meus mamilos e o vi engolir em seco.

"Ótimo".

Minhas mãos desceram lentamente para baixo em meu estômago e para o ventre sem pelos entre minhas pernas. Deslizei minha mão ensaboada entre as pernas e começei a ensaboar em cima de minha vagina. Inclinando a cabeça para trás; de olhos fechados, sentindo a água deslizar pelos meus cabelos e corpo, esfreguei meu clitóris lentamente. Eu empinei minhas nádegas e estendi minhas pernas e começei a deslizar meus dedos em direção a minha xoxota.

— Pare — Ele comandou quando puxou a filmadora de seu olho. — Só eu tenho permissão para estar dentro de você.
Parei  e permiti que meus dedos continuassem para baixo.
— Bem, entre então, Doutor.

"Ele queria estar dentro dela novamente. Mas esse não era o plano. Ele tinha que se fazer indispensável para ela."
Viu então como a mão dela voltou a massagear lentamente seu clitóris. Sabia que ela o estava pondo a prova para ver o que ele faria. Ela o desafiava, com aquele ar de menina. Quando ele viu seus dedos deslizarem em sua vagina, levantou-se, escorregou a filmadora abaixo, aproximou-se, fechou a torneira, e a puxou para fora do chuveiro em seus braços.
 
— Você não está fazendo o que eu mandei, querida.- disse com a voz rouca.
— Eu faço o que eu gosto. — respondi sentindo a protuberância de seu pênis coberto pelo jeans enquanto puxava meu corpo molhado em seus braços. 

— Você não pode me quebrar à sua vontade, Dr. Delegado.
— Resposta errada. — Colocou-me em seus braços e me levou para o quarto ao lado, deitando-me sem cerimônia na cama.
Tentei me sentar, mas ele lançou seu corpo em cima do meu. Seu tórax nu pressionou meus seios e estendi minha pernas em um convite.

— Oh Deus, uma resposta errada — sussurrei com falsa preocupação. – O que me acontecerá agora?
— Eu preciso lhe ensinar uma lição sobre ser paciente. — Enquanto mantinha seu corpo sobre o meu, ele inclinou-se de lado e puxou a gaveta do criado-mudo.
Meus olhos se arregalaram quando vi as longas tiras vermelhas de cetim que ele retirou.
— Você vai me amarrar? — O sexo selvagem era uma coisa. Perder o controle completo enquanto outro dominava era outra. Me retorci embaixo dele.
— Eu não quero isso.
— Sim, você quer — respondeu suavemente, ele agarrou uma mão e laçou o cetim ao redor de meu pulso prendendo a mão no suporte da cama.
Resisti embaixo dele.
— Não, eu não quero — ele agarrou meu outro pulso e o prendeu também. Se sentou em cima das minhas coxas, montando-me.
— Querida, você não vai ter controle nenhum quando me quiser.
— Eu farei qualquer coisa que você quiser, só me solte.
Ele saiu de cima do meu corpo e prontamente atou minhas pernas, vencendo-me.




— Só relaxe e se divirta, Ayeska. Você sabe que quer.
Um calafrio percorreu meu corpo. Ele podia fazer qualquer coisa que ele quisesse, e não eu podia detê-lo.
— Você vai filmar isto também?— Duas máquinas fotográficas?
"Hora o que ele estava pensando!!! Que eu gostaria de sair naqueles sites: Saiu na net?"
— Eu quero pegar tudo de todos os ângulos. — Ele ajustou os tripés da máquina fotográfica para ter certeza que o ângulo dela estava bom.
— Isto é para o meu uso exclusivo, querida.
Ele acendeu a luz das máquinas fotográficas e sentou ao meu lado na cama e me arrastou para baixo do seu corpo. 

— Você é bonita e  desejável.
— Bem, transe comigo então e faça logo isto.
Rindo, ele enfiou a mão na gaveta.
— Você não quer uma transa rápida e nem eu.
— Sim, realmente eu quero.
Olhei para o que ele tinha na mão, era uma bala de prata e não do tipo que costumava matar alguém.

" Ele iria pôr aquilo dentro de mim? O Homem era um sádico!"

Engoli em seco, mas não demonstrei a preocupação que me tomava.
— Quanto você quer que entre, querida?— suas mãos afundaram em minha vagina. Uma acariciava minhas curvas suavemente enquanto a outra segurava a bala. 
— Você está deliciosamente molhada. — Ele se debruçou diante de mim e lambeu meu clitóris.
Ele sorriu quando gritei.

— Você gosta assim?
— Sim, oh Deus, sim, —Me contorci embaixo de sua mão.
— Você me quer dentro de você?— soprou suavemente contra minha carne rosada e molhada.
Minha excitação me estremecia.

— Sim, eu preciso de você agora. — não me importei com o quão carente soou. Eu só queria ele dentro de mim.

"É luxúria, só isso...nada mais..."-pensei enquanto meu caldo escorria.

— Talvez mais tarde, — ele disse quando seus dedos deslizaram a bala dentro de mim deixando-me mais excitada.
Fechei meus olhos quando começaram as lentas vibrações.

— Abra seus olhos, Ayeska... — ele grunhiu no comando. — Você precisa ver e saber tudo o que eu estou fazendo com você. — Ele aumentou a velocidade da bala.
— Oh Deus...,ohhhhhh.... - gemi quando uma excitação selvagem se espalhou por todo meu corpo. Eu estava muito perto de gozar.
— Você quer gozar?— Ele se debruçou adiante e lambeu meu clitóris novamente.
— Sim. — Lentamente me lambeu, e choraminguei.
— Você fará qualquer coisa que eu mandar?—
— Qualquer coisa. — eu estava tão perto de chegar ao orgasmo que eu concordaria com qualquer coisa que ele quisesse.
— Bom saber. — ele sentou-se e desligou os controles da bala.
— Não, não pare agora. — A bala saiu do meu corpo e eu queria mais.
— Eu preciso de um lanche. — Ele levantou-se e foi embora da cama.

— Você o que?— Gritei em suas costas quando ele deixou o quarto.
— Volte aqui, seu cachorro! Seu pervertido!

" — Como ele podia me deixar assim? Eu estava quente e necessitada e não podia fazer nada sobre isso... "



Escrito por Ayesk@
Continuação de: Um Chefe Dominador e Sádico.

16 comentários:

Derek Dick disse...

Branquinha....que arraso....preciso de uma cópia desse filme que o delegado fez....manda pra mim, please!!!!

Que delícia....fiquei babando...rsrs

Beijinhos gulosos
DD

Mar... disse...

Nossa...senti tudo aqui...uau...
Vc arrasou amada...e olha...sei de muita gente que adoraria um chefe assim...
hahahaha...

Ei...quer dizer que vc sonhava casar com o Google???? Me acabando de rir aqui com seu comentário...só vc mesmo...

Boa noite...ops...bom dia...rsrsrsr
bom findi amada...adoro vc...bjs da loira aqui...

Darukian, O Ceifador de Orgasmos disse...

ahahaahaa

Se fudeu, Ayeska! Ele foi fazer um lanchinho antes de te boquetear? Digo, banquetear? shaushaus.

Se fudeu antes de ser fodida heim...rs

E jajá eu que vou te punir...cadê os mistérios? rs

SexyButterfly disse...

Esse é muito bom!!!!

Ótimo sábado pra vc!

Beijos da borboletinha

Peristilo disse...

Não lembro de ter lido este antes. Gostei do clima de provocação, muito sensual! Seus contos são sempre bem ricos nos diálogos, e você sabe como criar uma atmosfera envolvente. Sei que sou suspeito em falar, mas você dá um show nos contos! Beijos, querida!

Ana Casada disse...

querida onde tah esse filme???

preciso ver...nossa tudo de bom...



beijocas

ana casada

Simone butterfly disse...

oi minha linda ruivinha, selinho para ti lá no meu bloguinho! beijos

Almeida Lucius™ disse...

Minha Ruivinha sei que estou em debito contigo, perdão, mas adorei esse conto e tenha um linda semana, beijos !!!

Ayesk@ disse...

DD...Segredo de Estado trancado a sete chaves!!!rsrs
Bjs doces carinhosos e obrigada pelo seu carinho!

Branquinh@ rsrs

Ayesk@ disse...

kkk Pois é o lance do Google é uma brincadeirinha da ruivinha...
A ruivinha é muito brincalhona!
Tudo que quero saber , consulto o Google e raramente ele não resolve rssr
Então, sempre falo que se ele fosse homem , eu casava com ele!kkk
Mas, inteligência não é tudo...Existem muitas outras coisas rsrs

Bjs doces carinhosos e fiquei feliz que gostou, amada Mar!


Ayesk@

Ayesk@ disse...

kkk voce quem pensaaaaaaaaaa rsrs
Aaaa não me esqueci não...e nada de punição!
Estava sem Banda Larga...logo postarei...bjs doces carinhosos e essa foice longe de mim , viu?
kkk


Ayesk@

Ayesk@ disse...

Amiga Borboletinha, como sempre suspeitaaaaaaaaaaaaaaa...kkk
Mas, obrigada pelo carinho minha amiga!

Bjs doces carinhosos!

Ayesk@

Ayesk@ disse...

Peristilo, meu amigo adorado...suspeitíssimo também!rsrs
Obrigada pelo carinho e estou aguardando os contos novos, viu?
Bjs doces carinhosos na bochecha!



Ayesk@

Ayesk@ disse...

Ana minha linda querida..guardadinho a 7 chaves rsrs
Bjs doces carinhosos e mais uma vez Parabéns pelas visitas!!

Voce merece!!


Ayesk@

Ayesk@ disse...

Linda Borboletinha Cinza, mimo seu??? Obaaaaaaaaaaaaaaaa...mas...tem tarefinha???kk
A ruivinha foge delas rsrs

Bjs doces carinhosos e vou procurar meu tesouro lá então!

Ayesk@

Ayesk@ disse...

Querido amigo e poeta Almeida Lucius, está me débito nada...entendo a correria e as musas rsrs
Bjs doces carinhosos e tenah uma big linda semana! Te adoro, viu?


Ayesk@