segunda-feira, 1 de agosto de 2011

O Sequestro do Treinador - I











Ela estava apreensiva. Depois da transferência de seu parceiro para outra regional, estivera trabalhando sozinha durante algum tempo, mas sua profissão exigia que atuassem em duplas, para a segurança de ambos. Não era contra ter um parceiro, mas não se sentia á vontade com o parceiro que lhe fora designado.
Odayr Oliveira era o nome dele. Investigador experiente, astuto, e acima de tudo, belo. Enigmático, respeitado por todos os colegas de trabalho. Sua presença causava em Selene um desconforto, uma sensação de que qualquer deslize dela seria percebido por ele, e visto como uma tolice sem tamanho.
Ela se perguntava o motivo de tanta apreensão, mas no fundo sabia. Tinha uma queda, ou melhor, um tombo por Odayr. E ele sempre distante, lhe dava um seco bom dia quando se cruzavam no departamento. Mas não naquele dia. O chefe do departamento, Leônidas e Odayr, caminhavam na direção de Selene, e ela já sabia do que se tratava. A apresentação formal de ambos, e o anúncio da nova parceria.
Feitas as formalidades, Leônidas apertou as mãos de Odayr e de Selene e desejou boa sorte a ambos. Em seguida, disse:

 _ Vocês já têm um caso para resolver, é sobre um pedido de socorro feito via internet. Aparentemente, um dos participantes de um site erótico foi seqüestrado, e precisamos descobrir o que aconteceu na realidade.
Selene ficou ruborizada com a notícia, e Odayr apenas olhou friamente para o chefe.
_Nós vamos verificar, Leônidas, disse Odayr.
Selene sabia sobre o pedido de socorro, mas não comentou nada com Odayr. Afinal, ela freqüentava o site erótico mencionado. E aceitou prontamente acessar o site juntamente com odayr, como se nunca o tivesse feito, e ler com atenção a mensagem do suposto seqüestro.Sentados lado a lado, acessaram a página da internet e procuraram pelo texto da suposta vítima. Em meio á vários outros textos, um se destacava pela brusca diferença dos termos utilizados. Entre “Comi a vizinha na cozinha” e “ “Delícias na praia”, havia um:


AJUDEM-ME POR FAVOR! FUI SEQUESTRADO!


O pedido na verdade não continha nenhum comentário abaixo, aparentemente nenhum dos outros usuários do site havia dado importância, provavelmente porque considerava aquilo uma brincadeira. Quem pediria socorro num site de contos eróticos?
O que tornou a mensagem no site merecedora de atenção foi um telefonema feito á polícia, de uma pessoa que afirmou conhecer a vítima, e afirmou também que não havia visto o sujeito desde então.
A pessoa que ligou para a polícia não quis se identificar, mas disse o nome da vítima:
Carlos Cazzini, vulgo Treinador.
Selene navegava nas páginas do site com habilidade, procurando pelos textos anteriores do usuário seqüestrado.
_Já conhecia o site? Perguntou Odayr.
_Não! Não entro nesse tipo de site...
_Você parece conhecer todos os recursos do site do jeito que está mexendo...
_Já disse que não conhecia, respondeu Selene, parecendo irritada.
_Tudo bem, me desculpe se pareci...
_Ok, ok, Selene disse o interrompendo, veja isso, exibindo uma página onde os usuários podiam conversar entre si:
“desafio qualquer um a me fazer parar!” msg enviada por:Treinador
“Ah, vá dormir, você só cria confusão!! Msg enviada por: Malice
“Apenas escrevo os melhores contos, se tem inveja de mim, não posso fazer nada! Msg enviada por: Treinador
“Esse senhor está doente! Eu gostaria de vê-lo longe daqui! Msg enviada por : Crítico
_Ora, ora, ele tinha inimigos no site! Disse Odayr sorrindo.
_Pode ser qualquer um desses usuários, Selene disse desolada, exibindo outras dezenas de páginas aonde o tal Treinador discutia com vários outros usuários.
O ramal de Odayr tocou, e o investigador foi informado sobre a quebra do sigilo do usuário treinador, que acabara de ser conseguida pela polícia. Anotou num papel os dados, e levantou-se.
_Vamos Selene, na casa dele podemos descobrir algo mais relevante.
Chegando ao local, um pequeno prédio com quatro apartamentos, Odayr tocou a campainha e aguardou. Não houve resposta.
Selene bateu na porta e anunciou que era a polícia quem chamava. Nada.
E agora, não podemos invadir. Que merda!
_Ah, Odayr como você é certinho, disse Selene, para em seguida arrombar a porta com um pontapé.
O apartamento era cheio de pôsteres com motivos de esporte colados na parede, algumas medalhas de lata penduradas aleatoriamente e pouca iluminação.
Sobre a pia, garrafas de cachaça vazias, embalagens de hambúrguer e sacos de salgadinho vazios. O cheiro de mofo preenchia o lugar.
Numa escrivaninha, um velho computador ligado. A cadeira da escrivaninha estava tombada no chão.
Odayr levantou a cadeira e sentou-se nela. Mexeu no mouse, reativando o monitor.
A tela se iluminou, e surgiu o site de contos eróticos. O texto era intitulado: “Memórias de uma puta de luxo” por Mestre dos Contos.
_Como ele teve tempo de mandar um pedido de socorro e voltar para outro conto, se o site é lento pra caramba?
_Como sabe que o site é lento Odayr? Quis saber Selene.
_Eu percebi na hora em que estávamos estudando os perfis dos usuários...
_Pois eu acho que se ele era usuário, tinha muita habilidade em navegar no site, e poderia muito bem ter feito as duas coisas. Até mesmo para poder dar uma pista do crime.
_Certo, disse Odayr. Ele percebeu que seria seqüestrado, enviou rapidamente o pedido de socorro, que afinal consistia em apenas uma frase, e voltou para os contos, selecionando o conto desse tal mestre dos contos.
Odayr começou a ler o conto. Selene o acompanhava.
_Rapaz, esse cara sabe escrever! Chego a ficar...
_Excitado? Perguntou Selene pousando a mão sobre o membro do colega.
_Selene! Pare com isso, eu posso não resistir!
_Resista investigador, Você não é durão?
Odayr segurou nos cabelos de Selene e perguntou:
_Sim eu sou durão, você não está sentindo minha dureza?
Selene apertou com mais força o pau duro dele, e puxou o zíper de sua calça.



Odayr a abraçou, e a beijou demoradamente, enquanto ela lhe batia uma punheta vigorosa.
_Chega! Que loucura! Estamos na casa de uma vítima, disse Selene tentando se desvencilhar de Odayr.
_Não senhora! Vai ser aqui mesmo! Ele ergueu a saia dela, e apalpou as nádegas macias. Virou-a de costas e fez com ela ficasse de quatro sobre a cadeira.
_Oh Odayr! Estou toda desengonçada nessa cadeira!
_E isso me deixa mais louco!
Ele então afastou a calcinha vermelha, e viu a boceta volumosa, úmida.
_Então vai, seu puto! Me pega assim mesmo!
Odayr encostou o pau naquela boceta gostosa, e enfiou devagar. Gemeu alto, ele estava tomado pela loucura da situação, o que deixava a coisa ainda mais delirante.
Fodendo a parceira na casa da vítima.
_Que boceta gostosa! Ele deu um tapa de leve na bunda branquinha, e aumentou a força das estocadas. A cadeira rangia.
_Que pinto gostoso Odayr! Gostoso! Gostoso!
Ele metia vigorosamente, a cadeira rangia, as peles se chocavam, e então ele percebeu que não conseguia mais segurar. Tirou o pau e gozou sobre a bunda da parceira, acertando um pouco bem no cuzinho dela, que deu um gritinho safado quando sentiu o jato de pôrra no cu.
Odayr esfregou o pau por toda sua bunda, espalhando o gozo abundante por toda a pele branca e macia de selene.
Ambos ofegavam.

_Nossa, que coisa mais... irresponsável, disse Selene enquanto ajeitava a saia.
_Acho que me descontrolei, me desculpe, disse Odayr.
_Que desculpar o quê! E eu não quis também?
_Acho que foi esse conto que me deixou assim, tão...
_Deixa prá lá! Temos que voltar ao nosso trabalho.
_Certo, disse Odayr passando as mãos nos cabelos, e se recompondo.
_Bem, se o Treinador deixou um conto do Mestre dos Contos logo depois de dizer que foi seqüestrado, ele quer o quê? Incriminá-lo, ou dizer que ele pode ajudar?
_Vamos ver o que aconteceu antes, disse Selene.
Ela sabia que o Treinador tinha no mestre dos Contos seu maior inimigo, mas fingia não saber, para que Odayr não percebesse que ela sabia coisas demais daquele site.
Odayr ao mesmo tempo, também fingia não conhecer o site, mas já sabia que o Treinador queria dizer que seu seqüestrador era o mestre dos contos.
Fizaram algumas pesquisas ,e ambos juntos fingiram ter descoberto que o Treinador e o mestre dos Contos eram inimigos.
_Pôrra, mas esse cara era inimigo de todo mundo! Se formos ter que quebrar o sigilo de todos os usuários do site...disse nervoso Odayr.
_Não! Vamos ter que investigar o Mestre dos Contos. Foi ele o acusado pela vítima.
Ela disse isso, mas em seu íntimo duvidava que o Mestre dos Contos fosse o autor do crime. Mas era preciso investigar.




Escrito por:  o_Critico (Nilton)

6 comentários:

juniorypriscila disse...

Delícia de conto... Vai ter continuação, né?1?
Beijinhos
juniorypriscila@hotmail.com
http://contoseroticosdejuniorypriscila.blogspot.com/

SexyButterfly disse...

Digo e repito: já era fã do Crítico e do Nilton em separado... depois dessa, vou abrir um fã clube, kkkk
Agora, amiga, vc foi malvada com o Garfield...Por mais enrolado com o computador, injusto que esse gato gostoso represente o Ka..ops! o treinador....kkkkkkkkkkkkk
Beijos da Garota Borboleta!

Derek Dick disse...

Que delicia de conto!!! Adoro essa policial....vem descobrir meus crimes, vem?

rsrsrs
Bjo
D.

Ayesk@ (Selene) disse...

rsrs Borboletinha...ou Garota Borboleta?
Sou suspeita para falar do Nilton, pois tenho um conto dele postado aqui que simplesmente adoroooooooooo!
É um dos meus preferidos!!!
"Tempestade Vermelha".
Aaaaa...amiga ADOROOOOO o Garfield, mas, voce tem que concordar comigo, que o Treinador e ele tem algumas coisinhas em comum e achei que a imagem caiu como uma luva rsrs
Beijos doces da...

Ayesk@

Ayesk@ (Selene) disse...

Juniorypriscila tem continuação sim e fiquei feliz em saber que gostaram!
Beijos doces meu Casal + Querido da Blogosfera!


Ayesk@

Ayesk@ (Selene) disse...

Adoraaaaaaaaaaaa né D.D???
Seiiiiiiiiiiiii...rsrs
Voce é hiper suspeitooooooooo!!!rsrs
Beijos Doces !!!



Ayesk@