terça-feira, 26 de abril de 2011

Série: A verdadeira história das borboletas - Cap.3




III. Noite sem fim


Semanas se passaram e Derek nunca mais recebera notícias de Ayeska. Ele continuava trabalhando no mesmo bar e tinha esperança que ela voltasse lá qualquer 3ª. feira para tomar sua caipirinha. Se perguntava como tinha sido tão burro e não pedido o telefone dela....será que era um sinal aquela tornozeleira de borboleta para que ficasse longe e não trouxesse todo seu passado traumático de volta?
Após fechar o bar naquela noite de 4ª. feira, Derek se lembrou que precisava passar no mercado . Para outras pessoas ir ao mercado às 3 da manhã não era comum. Mas este era o horário que costumava fazer as coisas por causa do bar. Estava acostumado e até gostava – tinha oportunidade de ver a cidade calma como poucas pessoas.
Dirigiu até o mercado 24h e com uma pequena lista na mão foi passando pelos corredores desertos. No meio das compras se deparou com uma cena que mudaria sua noite. Ali, naquele corredor que acabara de entrar, havia uma loura estonteante, cabelos cacheados na altura do ombro e pernas longas. Estava com uma mini-regata vermelha que deixava aparecer seu lindo umbigo.
Derek reparou que ela estava com uma calça jeans muito justa e de cintura baixa, e que apesar do salto que usava, se esforçava sem sucesso para alcançar algo na prateleira mais alta, o que fazia com que empinasse a bundinha.
Aquilo mexeu instantaneamente com Derek, que pediu permissão para ajudá-la e alcançou o pacote de açúcar objeto da cena. Quando a moça se abaixou para colocar o pacote no carrinho, Derek reparou que ela tinha uma tatuagem no cóccix. Não se conseguia ver a tatuagem inteira. Era colorida.
Derek fixou os olhos para tentar focar, ao mesmo tempo que tentava ser discreto....e foi então que conseguiu visualizar a tatuagem: uma linda BORBOLETA!
  


Deu um salto para trás que chamou a atenção da moça. Ela riu da cena e quis saber se estava tudo bem.
- S-S-Sim...gaguejou Derek. Pensou se era uma maldição, uma sina, mulheres e borboletas....
- Muito obrigada pela ajuda hein? – agradeceu a moça pousando sua mão delicada no peito de Derek.
- Como é seu nome? – perguntou diretamente para moça
- Pode me chamar de Sexy.....Sexy Butterfly
- É por causa da tatuagem? – tentou adivinhar Derek
- Você é observador....sr.?
- Derek....Derek Dick.
- Humm...Mr. Dick? Sugestivo....bem obrigada pela ajuda. Vou continuar minhas compras.

Derek não conseguiu mais se concentrar em suas compras e foi seguindo Sexy pelos corredores enquanto fingia pesquisar o preço de alguns produtos. Foi quando notou que Sexy o fitava diretamente e fez-lhe um sinal para que se aproximasse.
Derek notou que não havia mais ninguém no mercado, salvo um ou outro funcionário, e assim que chegou perto de Sexy, ela o agarrou e beijou demoradamente seus lábios.
Aquilo o deixou muito excitado e respondeu agarrando-a pela cintura. Sentiu a pele dela se arrepiando toda e viu seus mamilos se intumescendo por baixo da regata. Ela também havia ficado excitada.
Sexy, como num ato desesperado, puxou o recém-conhecido amigo para trás de uma pilha de garrafas e o empurrando colocou a mão em seu traseiro e enfiou a língua em sua boca. Derek sentiu o gosto do álcool – devia ser vodka.
Algumas garrafas rolaram pelo chão . Derek a puxou pela mão sem nada dizer e largaram as compras ali mesmo. O sangue fervia nas veias e nenhum deles sabia dizer o porquê estava fazendo aquela loucura. Levaram só um Pack de 6 garrafinhas de Smirnoff ice gelada.

Derek a levou ao estacionamento e abriu a porta de trás de seu carro. Sexy pegou uma das garrafas de smirnoff ice e sorveu metade de uma vez. Ela sentou no banco com a porta do carro aberta e agarrou o cinto de Derek puxando-o em sua direção.
Sexy abriu o zíper da calça de Derek e enfiando a mão achou o que procurava. Usava um batom vermelhão, combinando com a regata, e beijou demoradamente a cabeça do pau de Derek. Pensou que devia estar louca mas sentiu-se protegida pela pouca iluminação do estacionamento naquele horário.
Acabou por engolir o pau inteiro em sua boca molhada e foi aos poucos aumentando o ritmo e a velocidade com que chupava.
Derek puxou a regata vermelha por cima do pescoço despindo Sexy que ficou somente de calça jeans. Quando viu aquela cena Derek não se conteve e a empurrando no banco caiu sobre seus seios chupando vigorosamente. Derek sentiu a calça jeans de Sexy ficando encharcada pelo tesão.
Enfiando então sua mão pela cintura da calça ele alcançou a xoxota de Sexy e percebeu que ela não usava calcinha. Em sua cabeça pensou que Sexy já devia ter saído de casa “mal-intencionada” e passando então seus dedos pela bocetinha úmida percebeu que ela estava totalmente sob seu domínio.
Fez com que ela tomasse mais uma garrafinha e mandou-a ficar no banco de trás. Ligou o carro, dirigindo para fora do estacionamento. Seu carro tinha um insulfilm tão forte que nada se via do lado de fora. Mandou-a abaixar a calça e se masturbar para ele, ao que ela assentiu prontamente. 

- Você gosta de receber ordens, Sexy Butterfly? – disse ele.
Ela limitou-se a gemer e acenar que sim com a cabeça.
Derek lembrou-se de quando era abusado por sua tia,Lady Nina, na adolescência, e resolveu aproveitar para tirar proveito da situação.
- Enfie um dedo na sua xoxota molhada! – ordenou.
- Agora, dois dedos....depois três! – continuou.
Sexy gemia de prazer e seu suco escorria pelo banco do carro.
- Agora quero que você ponha os dedos melados na minha boca, enquanto eu dirijo.
Derek estava com o pau totalmente ereto naquele momento.
- Agora faça o mesmo e ponha na sua boca! Sinta o seu gosto! Isso!
A tensão ia aumentando dentro daquele carro até que finalmente chegaram à casa de Derek. As garrafinhas tinham se esvaziado.
Ele entrou na garagem e Sexy pôde descer lá dentro já em segurança de quaisquer olhares da vizinhança.
Rapidamente ele entrou levando-a até seu quarto. Deixou-a por alguns instantes e voltou com várias garrafas de cerveja. Ela ávida tomava tudo como seu novo senhor ordenava.
Pouco depois, Derek levantou-a e colocando-a de pé contra a parede terminou de tirar toda sua roupa, deixando-a somente com o sapato de verniz preto e salto alto.
Tomou vários goles de cerveja e sem mais a puxou pelos punhos prendendo-a com algemas de aço em volta da cabeceira da cama.


- Ela se assustou mas o tesão foi maior quando viu que ele pegou um chicote de pontas de couro e começou a passar pelo seu corpo.
- Slap! – bateu Derek no corpo branco de Sexy Butterfly. – Aahhh!
- Não reclame! Peça mais ao seu senhor! – disse Derek enquanto fazia Sexy tomar mais cerveja.
Propositadamente deixou derramar cerveja na barriga dela e tomou com sua língua. Sexy rebolava tentando alcançar a língua de Derek com sua xaninha molhada.
Derek terminou aquela cerveja e após mais algumas chicotadas pegou a garrafa vazia e começou a esfregar na bocetinha de Sexy...
- Não...não...ai...não – gemia Sexy.


Derek aproveitou que a xoxota de Sexy estava muito molhada e introduziu a garrafa quase inteira, vendo-a se contorcer.
Deixou-a lá por um instante e voltou com dois pregadores de roupa que apanhara na lavanderia do apartamento. Com cuidado colocou cada pregador apertando um dos mamilos. Sexy soltou lágrimas de dor, mas não queria parar...queria ser usada....
Derek voltou a empurrar a garrafa mais para dentro ao mesmo tempo que mexia levemente nos pregadores para torcer os bicos dos seios de Sexy.
Sexy não se conteve e gozou nervosamente. Foi repreendida pelo seu senhor que lhe aplicou umas chicotadas.
Abriu outra cerveja e mandou que tomasse, enquanto ele ficava totalmente nu. Ela pedia para que lhe soltasse mas ele a amordaçou. Logo pegou uma vela, acendendo-a enquanto via o olhar assustado de Sexy. Derramou umas gotas de cera quente bem sobre a tatuagem da borboletinha. De novo lágrimas escorreram dos olhos de Sexy.
Derek então beijou o lugar da pequena queimadura, e derramou cerveja para esfriá-la. Sexy tentou se soltar e dizia que precisava ir ao banheiro, mas seu senhor não a libertou.
Pelo contrário, enfiou seu pau grosso na xaninha molhada de Sexy, que sentiu arrepios. Continuava pedindo que a soltasse mas ele se negou. Somente quando estava próximo de gozar tirou-lhe a mordaça e ordenou que abrisse bem a boca.

Tirou o pau de sua xoxota e enfiou na boca:
- Sinta o sabor de uma puta! Chupe com gosto!
Sexy sentiu nova onda percorrendo seu corpo. Derek a repreendeu:
- Você só goza se eu mandar entendeu?
Derek então gozou na boca e no rosto todo de Sexy, melou todo seu cabelo.
Virou-se e ainda sem soltá-la enfiou a cara e a língua na xaninha que se contorcia, fazendo Sexy gozar novamente.
Derek amordaçou-a novamente, virou para o lado, tomou o resto de sua cerveja e dormiu. Devia ter dormido umas 3 horas quando deu uma acordada e viu que Sexy também havia adormecido, mesmo naquela condição: algemada, amordaçada e lambuzada de seu gozo.
Lembrou-se que ela dissera horas antes que precisava ir ao banheiro e então a liberou.
Sexy tomou um banho, se vestiu e foi embora pois o dia já havia amanhecido.

Derek teve receio que nunca mais fosse vê-la como aconteceu com Ayeska, mas ao levantar algumas horas mais tarde viu que Sexy havia deixado um número de telefone e um MSN, finalizado o recado com um “Me chame quando desejar, meu senhor”.
Derek falou com Sexy pelo MSN no final de semana. Ela estava fora da cidade mas ficou de passar no bar na próxima semana para vê-lo.
Sexy cumpriu o prometido. Na 3ª. feira seguinte apareceu toda provocante no bar. Sentou-se numa mesa de frente para a entrada e pediu um drink ao garçom Derek.
Depois de servi-la, percebeu que na mesa ao lado uma pessoa levantara a mão chamando pelo garçom para fazer um pedido:
- Uma caipirinha no capricho! – disse Ayeska

 









Escrito por DerekDick

Um comentário:

Aprendiz do Desejo SC disse...

Querida,

Adoro tuas histórias!

Tem um selinho para você lá no blog.

Beijos da Aprendiz...