quinta-feira, 31 de março de 2011

"Sozinha minha"















Tá, então vou dizer a verdade!

Quero você sozinha minha, porque parece que o encanto de fim de tarde, quando sei que beberei seu sorriso e me alimentarei de sua incompreensão natural move meu corpo instintivamente em direção ao seu, diariamente! E esse sorriso que percorre meu corpo e acende o desejo é tão displicente, que você sequer sente o quanto me muda, o quanto me acalma excitando meus gestos, paradoxalmente. Fico, então, assim, escultura em mármore com vulcão do lado de dentro, tentando não lhe mostrar o quanto lhe como, a cada momento! Tiro-lhe o shortinho, lhe beijando as coxas; marco-lhe a bundinha, com as mãos ávidas, lhe trago à boca e lhe como a xoxota, tal e qual milho verde, manuseando-lhe as pernas e cheirando seu cheiro, que inebria meu cérebro e ateia fogo em minhas veias; saboreando seu gosto, que gosta de me ver lambuzado, assim!
Quero você sozinha minha porque não há sentido em ter o restante do mundo por perto do nosso mundo particular, e quando insisto em ser mau sou apenas bobo, tentando esconder que não há delícia maior que a delícia de me esbaldar em seus seios, amassando-os e beijando-os atordoado, sem saber como me satisfazer de uma vez só, alternando lambidas,chupadas e mordidas...Sugando e marcando cada um deles, apertando-os e colocando meu pau entre eles, sentindo-os me masturbar, indo e vindo, direcionado à sua boca que me quer por inteiro,mas alcança porções,a seu tempo. Sinto-lhe a língua que arranca gemidos e me aproximo o quanto posso, obtendo prazer de cada movimento seu.
Quero você sozinha minha, o tempo de nossa existência, regada a prazer infinito em pílulas de amor. Tal magnitude só pode ser alcançada pelos livres de espírito; quando pensar em outras coisas, além de você e de mim se torna supérfluo, e nossos corpos emaranhados é a única sensação válida e suprema.
Sinto você sozinha minha quando meu perfume é o seu e meu olhar reflete seus sonhos. Quando suados, deslizamos entre os lençóis, minhas coxas sobre as suas, meu peito sobre o seu, que me diz que lhe esprema, e que mexa e enfie depois que aperte e espere seu quadril arquear-se... Ninguém entre nós! Eu sobre você, você sob mim, comigo em você e você em mim! É assim!
Você espera ouvir de meus lábios o que meus olhos lhe dizem e meu coração lhe aponta em cada segundo, mas não tenho voz nesse instante, meu tesão é tão grande! Nunca arregalou os olhos pra algo gigantesco como um tsunami, que devasta convicções e termina com dúvidas, deixando um rastro de pétalas ao invés de destruição?
Nunca foi amada assim?!




Quando enlaço sua cintura, por trás, e lhe encosto à parede, tatuando-lhe o pescoço e adjacências com meus lábios furtivos, mal encostando... E penetro de um golpe, num ritmo hipnotizante, que afirma o que já sabemos: somos escravos do amor! Só tenho ouvidos para sua respiração alterada e seus pedidos exigentes completamente suaves! Só tenho olhos para sua expressão de extremo tesão, expresso em olhares lascivos, e serenos, e alucinados, e santos; expresso em seus lábios molhados, retorcidos, mordidos e quentes. Muito quentes!
Por essa e por outras me recuso a dividir você! Me recuso a me dividir com você. Quero que se derrame sobre mim, quentinha e gostosa como cobertura de bolo, meu licor que inebria e causa o torpor inocente de estar indecentemente apaixonado!
Pra ser sozinha minha você precisa esquecer o que deseja saber e apenas sentir!
Quando, longe de você, não agüento a pressão e lhe trago pra perto empunhando meu pau, mão direita com força, e pernas separadas, olhar fundo em seus olhos, movimento como se estivesse em você! Já viu um homem gozar assim, em seu nome?! Minha mão vai e vem, extensão do meu pau, latejando com força, cabeça enorme e vermelha como um morango maduro, molhado, faminto por sua língua. Aperto os olhos pra ver você de joelhos, me olhando enquanto mama, gulosa, e lambe, e chupa e engole! Suspiro, em êxtase, mão esquerda apoiada à parede, lhe vendo de costas pra mim, remexendo, bunda arrebitada, choramingando e pedindo estocadas velozes! É aí que perco o controle completo e acelero e aperto, e estremeço dentes trincados, esperando o momento do gozo explosivo... 
Ahhhhhhhhhhhhhhhhh!!!Seu nome em voz alta! Ahhhhhhhhhhhhh! Seu sabor entre os lábios, jato quente escorrendo, pernas retesadas, prazer percorrendo cada músculo!!! 
Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh!!! Gozando em você! Gozando pra você!!! 
Por você!!! Com você!!!

Sozinha minha é ser assim, pra sempre. Entendeu agora?

 


















Escrito por Caique