quinta-feira, 24 de março de 2011

RECOMEÇANDO

























Já era madrugada e aquela cena não saia de sua cabeça. Ele a amara e idolatrara por meses e, após receber uma desculpa esfarrapada, ela sumira naquela noite. Mil coisas habitavam sua mente, inclusive a possibilidade de traição.
Imaginá-la nos braços de outro, quebrando o acordo de prazer  aberto e recíproco outrora estipulado fazia-o engolir a seco e perder o sono.
Mas Cláudio sabia que a vida era assim e não seria a primeira nem a última vez que alguém trairia sua confiança e a liberdade que ele gratuitamente oferecera. Melhor era sacudir a poeira e tocar a vida. Ainda sem sono, pegou seu carro e resolveu rodar um pouco, para clarear a mente e respirar ar puro. Era mais ou menos 02:00h da madrugada.
Apesar de não beber bebidas alcoólicas parou em um bar. A música chamara sua atenção. Parou no balcão e pediu uma cerveja sem álcool, no que foi prontamente atendido. A música que rodava era “Pintura Íntima”, do Kid Abelha. Numa das mesas, duas meninas puxavam o seu olhar com uma força magnética e incontrolável. Uma das meninas sorriu e Cláudio juntou-se a elas quase que instintivamente.
Chamavam-se Alice e Bia. A primeira, uma morena de uma beleza simples, porém intensa. Sorriso cativante que formava duas covinhas lindas e sedutoras. Já Bia era ruiva, usava os cabelos pouco abaixo dos ombros, tinha um olhar vibrante e revelador. Era o  tipo de mulher que arrebataria qualquer ser vivo sem o mínimo esforço. Após conversarem, se apresentarem e dançarem a três, um clima extremamente sensual impregnou a atmosfera que os aproximara e, sem que nenhuma palavra fosse necessária os três saíram porta afora, com a certeza que o prazer era iminente e seus corpos se precisavam.
Os lábios de Alice procuravam os de Cláudio e Bia acariciava docemente a ambos, numa cumplicidade velada e saboreada em total silêncio. No caminho de casa, Bia afagou-lhe o sexo por sobre a calça, enquanto Alice, no banco de trás, ocupava suas mãos com os seios da amiga. Com a mão esticada e sob a fina blusinha preta, ela fazia movimentos que enlouqueciam Bia e a acendiam mais e mais.
O caminho para o quarto de Claudio, agora, abrigava um rastro de roupas e calçados largados, totalmente desnecessários naquele momento de entregas e procuras.

Cláudio inebriado, assistia pasmo a destreza de Bia, despindo Alice e deixando um rastro de saliva por onde suas mãos passavam, seguidas de sua boca quente e faminta. Não demorou até que Alice, num gemido desvairado tivesse a xaninha abocanhada por bia. Foi neste momento que Alice puxou Cláudio e acomodou-o em sua boca, num ritual de entregas e prazeres no qual ele estava sendo iniciado. Sentindo que o o gozo se aproximava, ele colocou-se atrás de Bia, que gentilmente abrigou seu falo em suas entranhas quentes e meladas.
Cláudio não demorou a brindar Bia com seu leite quente e farto. Mas elas queriam mais. Queriam muito mais daquela noite a três. Alice, não se fazendo de rogada foi fazer a “faxina” em Bia e sorveu sem pressa alguma todo o leite que Cláudio havia inundado.
Quando ele, novamente ereto e faminto, colocou-se atrás de Alice, esta delicadamente guiou seu falo por sobre a xaninha, até posicioná-lo, já lambuzado, sobre seu cuzinho róseo e delicado. Custava crer que aquele buraquinho aparentemente tão frágil o abrigaria com gosto.
Ele saboreou cada centímetro daquela penetração ao ritmo do balançar das ancas de Alice e ela, gemia baixinho, por vezes, segurando-o para ir mais devagar e, noutras, puxando-o com gana para dentro de si. Bia desfalecia na boca de Alice, eram tantos orgasmos que ela perdera a noção de tempo e espaço e, naquele momento só o prazer imperava.
O dia foi amanhecendo e muitas posições e trocas depois, os três estavam exaustos. Dormiram numa conchinha que mais parecia um triângulo perfeito. Bia ainda encontrou forças para, atrás de Cláudio, afagar-lhe suavemente o saco e arriscar tocar sua zona proibida. Ele, quase morto de um cansaço bom, permitiu o carinho, mas temeu que ela pudesse ir além.
Ao acordarem, já passado das 15:00h, Cláudio as esperava com um belo café. Duas bandejas com sucos e frios. Em cada uma havia uma rosa vermelha, sinal de gratidão pela noite proporcionada. Ele olhava para aquelas duas maravilhas nuas sobre sua cama e queria que aquele momento jamais findasse.
Foi assim que Bia foi se aninhando em seu colo e, inevitavelmente encaixou-se nele novamente, arrancando-lhe mais um orgasmo, ao qual Alice apenas assistiu enquanto tocava-se serenamente, sem a fome da noite anterior.
Entre conversas, ambas confidenciaram que haviam chegado do interior, em busca de emprego e de uma tia de Alice, que lhes daria abrigo de início, mas a mesma havia se mudado e elas desorientadas, paravam em uma pensão, ao menos enquanto pudessem pagar.
Cláudio, generoso como todo homem que acabara de ser bem recompensado não hesitou e convidou-as para virem para sua casa até que as coisas se ajeitassem. Afinal, ambas o conquistaram e seria uma forma de espantar a solidão.
Elas de pronto concordaram, com uma única condição: Ele seria de ambas e isso era inegociável.
E foi assim que os três partiram para a cozinha, afim de providenciar uma refeição decente, que antecipou uma comemoração especial pela parceria que acabavam de selar.


Escrito por Eroticamente (In) Correto

Postado por Ayesk@

Nenhum comentário: