domingo, 6 de fevereiro de 2011

Quer mesmo saber o que estou pensando?




Você me vê com ar distraído e me pergunta.
- O que você está pensando?
- O que penso? Quer mesmo saber o que estou pensando? Pois bem, penso em atravessar a metade do país que nos separa, ir te buscar e sem medir palavras te agarrar e te levar comigo...
Penso em parar no primeiro motel que encontrarmos, te levar ao quarto, te empurrar contra a porta e te beijar enquanto que com o meu corpo prendo o seu contra ela. Nossas línguas se entrelaçam desesperadas enquanto minhas mãos te seguram pela cintura e sobem até seus peitos. Deixo de beijar-te e começo a chupar seu pescoço enquanto começo a abrir sua blusa, porém hoje não haverá tempo para delicadezas, com um só golpe a rasgo e te olho de cima em baixo, Deus, me fascina o teu corpo, me fascina seus peitos, me fascina o olhar selvagem e lascivo que está lendo meus pensamentos e desaparece em mim qualquer lampejo de sanidade, esqueço-me de teu ex, de minha ex, me esqueço de qualquer cadeia que possa nos prender, preciso de você, preciso te possuir, quero te foder todinha e nada neste momento se interporá entre nós.
Depois deste último pensamento, acabo de perder o resto de sanidade que ficou e vou chupar suas deliciosas tetas, como um animal selvagem tiro seu sutiã. Você começa a tirar minhas roupas, enquanto te toco todo o seu corpo, consegue tirar-me a camisa, enquanto afago seus mamilos e começo a chupá-los, quase devorando-os. Minhas mãos não ficam quietas e tentam abrir suas calças, quando a abro te desencosto da porta e te jogo na cama, tiro sua calça, arranco sua calcinha e me atiro em cima de você. Voltamos a nos beijar, procurando nossas línguas enquanto começo a enfiar os dedos na sua buceta apertada e depilada, eu adoro...deixo de te beijar e me dirijo ao objetivo que tanto desejo e diante da sua buceta me sinto como um lobo diante da sua presa, sinto o seu cheiro e começo a devorá-la, passo a língua pelos lábios, pelo clitóris...meto a língua dentro de ti o mais fundo que posso, começo a morder seu clitóris enquanto volto a enfiar os dedos procurando o seu ponto g, quero que goze agora, não quero te dar descanso, começa a me apertar a cabeça com as mãos para que não pare, me aperta com as coxas e eu redobro os esforços e aumento a velocidade da língua e dos meus dedos e te enfio um terceiro, geme cada vez mais alto e gritando fode-me, fode-me, fode-me, começa a gozar. Deixo você descansar enquanto tiro minha calça e antes que de conta estou me preparando para te penetrar. Você olha para minha rola inchada, muito dura e sorri, sabe que estou completamente louco, fora de mim e se alegra que é por você que estou assim. Não nos preocupamos com camisinha, nem nada que possa nos separar, quero te sentir totalmente, somos dois animais que não entendemos de regras e nem de perigos. Começo a te penetrar até o fundo, com minha rola cravada em você me sinto no céu, sinto sua vagina totalmente úmida e quente, meu pau se sente em casa, o lugar que sempre desejou estar.
Te olho dentro dos olhos de um jeito que te assusta, começo a mover o quadril e vou te penetrando, lento mas com força, e em cada investida te enfio a rola até o fundo, nos beijamos feito loucos, só parando para respirar, entre gemidos me separo de ti, te seguro pela cintura e começo a te penetrar cada vez mais rápido e forte. Perco totalmente a noção da realidade e só penso em socar mais e mais e cada vez mais forte, nem sequer penso se sente-se confortável, grita em cada estocada, eu também gemo enquanto minha rola desaparece dentro da sua buceta depilada que engole meu pau banhado de seus fluidos.

Estamos molhados de suor, quando te beijo ou te chupo sinto o sabor salino, sinto que vou gozar, fico louco e meto até o fundo e começa a erupção, jatos de porra são despejados dentro de você, grito e gemo sobre você, me aperta pela bunda para que eu goze o mais fundo possível dentro de ti, sente minha porra quente esguichando dentro de você e se da conta do quanto precisava, do quanto me necessitava.
Me beija carinhosamente quando termino de gozar e pensa que tudo terminou, mas estou possuído por um animal no cio e ainda não estou satisfeito, vou em busca da sua buceta enquanto me ponho na posição de 69 e você entende o que quero, começa a chupar meu pau sentindo o gosto de nossos fluidos, enquanto eu começo a chupar sua buceta, suavemente, te enfio um dedo e o mexo lentamente e quando minha rola volta a ficar dura novamente, saio de cima de você, que tenta me segurar e te coloco de bruços, continuo a enfiar o dedo, enquanto que com a outra mão abro suas nádegas e começo a chupar ao redor de seu cuzinho, deixando-o todo molhado de saliva e começo a enfiar a língua, passo o dedo na sua buceta lubrificada e começo a enfiá-lo no seu cu.
- Lembra-se que sempre tive vontade de comer o seu cuzinho? Pois agora vamos acertar as contas, fico totalmente incitado ao vê-lo tão apertadinho e saber que vou fodê-lo.
Agora já te enfio dois dedos e te peço que acaricie seu clitóris e quando não posso agüentar mais, ponho a cabeça da rola na entradinha do seu cu e soco de uma vez, até o fundo, você grita, me xinga, não esperava por isso e me pede um segundo para se acostumar com a dor e começa a se mexer lentamente, enfio e tiro lentamente o pau, nunca imaginei que pudesse sentir algo assim, um cu tão apertadinho que comprime desta maneira a minha rola. Logo me pede que meta mais forte, está com muita vontade e não fico atrás, levei muito tempo desejando este cu e agora vou desfrutá-lo com vontade, me viro como posso para tentar beijá-la, apertar suas tetas, tento acariciar seu clitóris enquanto soco a rola, mas é muito complicado, então me concentro totalmente no seu cuzinho.
Seguro seus quadris e continuo e continuo, cada vez mais forte, meu saco se choca contra sua bunda e faz um ruído que me deixa mais louco, se é que é possível neste momento. Não posso deixar de admirar seus cabelos molhados, suas costas suadas, nossos gemidos e minha rola enterrada no seu cu, tudo me excita e começo a sentir os espasmos, vou gozar, penso em gozar por todo seu corpo, mas não posso sair deste cu que tanto desejei e socando até o fundo começo a gozar outra vez, você comprime o cuzinho, me aperta a rola e me enche de prazer.
Por fim, com meu animal interior satisfeito, tombo ao seu lado e te beijo docemente, te abraço e lhe digo que nunca ninguém me viu nesse estado tão selvagem, nem me ouviu gemer e gritar desta maneira enquanto gozo.
Te proponho tomarmos uma ducha, descansarmos um pouco para depois continuarmos com a nossa maratona...

Esse relato é dedicado a uma amiga, duvido muito que ela seja capaz de suprimir este desejo quando nos encontrarmos e nem eu quero que isso aconteça.

Texto escrito originalmente em espanhol por LORD ARKHAM e postado em http://www.macizorras.com/





Por: Dayo_Li

Nenhum comentário: