domingo, 9 de janeiro de 2011

FLOR DO AMANHÃ




Tão só quanto o anjo celeste
que vagueia pelo céu,
são os beijos que tu me deste
aqui, além... Recobrias-me de mel...
Os teus lábios doces,
tecendo a dança célere,
descendo por meus amores,
chegando ao desejo, minha febre...
Desejo-te, nua, entregue aos meus desejos,
fazendo o que só dois amantes, dois corpos
sedentos um do outro, cheios de enlevos,
sabe o que se é... E em mútuo gozo,
Elevando-nos novamente ao céu,
poder lembrar com alegria,
dos momentos doces, momentos de euforia,
Que juntos vivemos, sem deixar tudo, o amor, ir voando ao léu...
Lembrarei, ainda, daquelas noites em que vagavas,
tecendo lépidos paços, doces, mimosos,
Indo ao banheiro, onde te lavavas,
Doce e macia pele que tanto beijei, que tanto afaguei, em carinhos apenas nossos...
Aquela água que descia, construindo,
um corpo de pura harmonia, belo, lindo...
Aquela forma sensual que lavavas as madeixas,
deixando-as em forma de veludo, apenas para que me enlouqueças...
Agora aqui, só, na nuvem que tu me deste,
ainda que sem asas, com uma taça de vinho na mão,
penso, sonho com um anjo que arrebatou meu coração,
tu, essa princesa, dama da noite, das volúpias... a mais bela flor campestre...











Escrito por Apollo 
Postado por Ayesk@

Nenhum comentário: