sábado, 25 de dezembro de 2010

SONHANDO COM LEDA


 
 
(Poema erótico)

 
 
 
 
Vieste pela madrugada,

sob o luar, com o olhar incendiado,

vestida de bruma e de desejo...

Trouxeste uma flor na boca

e outra sob o ventre

e me entregaste ambas

como um régio presente.

Fitaste-me em silêncio

e leste em meu olhar

as mil perguntas

do meu corpo em transe...

Depois, ergueste os véus,

ofereceste-me a rosa de teus lábios

e a outra, a rosa rubra e quente,

o limiar das delícias.

Meus dedos tocaram-lhe suavemente

as pétalas macias, abriram-nas

e exploraram sequiosos o seu interior.

E o teu ventre, em cíclicos espasmos,

fazia-te gemer, enquanto a tua boca,

úmida e quente, punha-me

o cetro em brasa. E depois

deixaste que minha boca

e minha língua te levassem

ao apogeu do orgasmo...

Ergui-me em seguida e tu, vencida,

ofertaste-me sob o púbis veludoso

a desejada rosa esplendorosa e pura...

E a tua mão suave conduziu-me

o cetro ereto, impávido e sedento

para o âmago da tua flor,

gruta do amor a dentro.

E, durante o vai-e-vem frenético do cetro

que premias com sofreguidão,

eu te beijava os seios e em teu delírio

improvisavas loucuras...

Calmada nossa febre,

deixaste em minha mão

uma flor orvalhada,

Flor-de-lis da madrugada,

e disseste-me a sorrir:

-Não quero mais que tu sejas

nem solidão nem tristezas,

mas preciso partir!

E novamente te fizeste bruma...

E logo após... Saudade!













Escrito por Spartacus

Nenhum comentário: