sábado, 8 de maio de 2010

Ayeska no Clube dos Libertinos

Falar de Ayeska é meio complicado, pois ela é uma mulher de fácil compreensão, isto se torna difícil, mas vou tentar.


Meu encontro com ela foi de imediato, talvez fosse a curiosidade por termos conversado uma única vez. Ela veio de calça jeans e uma camiseta branca, que demonstrava todo o seu poder de sedução, caminhava lentamente em minha direção quando entrou no restaurante, vários olhares voltaram-se para ela, principalmente dos homens. Levantei da cadeira e a abracei, num afetuoso gesto de carinho.


- Prazer em conhecê-la Ayeska.
- Prazer em conhecê-la Camile.

Fiquei fascinada ao vê-la. Convidei-a para sentar e pedimos uma bebida ao garçom próximo, este veio imediatamente, não tirando os olhos daquela guria e sendo muito gentil, anotando bem devagar nosso pedido, apreciando a forma dos seios dela sob a camisa. Quando ele nos deu as costas, voltamos a conversar, primeiro perguntei sobre os textos que ela estava escrevendo, ela sorriu e falou com uma sinceridade e alegria no qual me contagiou, não deixava de prestar atenção em sua boca, no modo dela falar. Era um soneto aos meus ouvidos, sua voz suave me embriagava e comecei a imaginá-la na hora do prazer, enquanto ela falava minha imaginação fluía para outros planos, despertei do transe de sua voz quando o garçom chega com as bebidas, servindo-nos. Com poucos segundos, ela pergunta mais sobre mim, comecei a falar algumas coisas do dia-a-dia, coisas de minha vida sentimental e sobre o meu futuro.
Meu celular toca. Pedi licença e atendi, era Damien, meu amigo e protetor, perguntava onde eu me encontrava e queria me falar algo sobre uma reunião do clube ao qual eu freqüentava. Falei que estava num restaurante com uma amiga e que infelizmente não poderia ir naquele momento, mas o que ele falava parecia sério e acabei indicando o local onde estava. Continuei a conversar com a Ayeska e disse-lhe que Damien estava chegando, perguntei se importava ele comparecer ali, ela disse que não. Tudo bem! Bem meia hora depois Damien aparece, vem direto em nossa direção, ao chegar na mesa o apresento a ela e ele muito cortês a elogia; Damien senta-se ao meu lado, pede permissão para falar de assuntos de interesse meu e dele a Ayeska, ela não se importa e nos dá autorização para tal. Eu ouvia atentamente o que ele dizia, parecia para ele que queria tomar toda a minha atenção, não percebi quando ele começou a deslizar sua perna sobre a dela (Ayeska) por baixo da mesa, ela continuava ou parecia estar concentrada no que eu dizia.
Damien queria sair dali, queria ir para um lugar mais reservado, não por pudor, isto não! Ele não era dado a tanto, mas para aproveitar daquela minha convidada, prová-la como ele costuma me falar. E insistiu tanto, dizendo que o assunto era sério demais para ser comentado num local público. Olhei para Ayeska sem ação, não podia dispensá-la, não estava nem um pouco afim de discutir problemas, eu queria aproveitar aquela tarde com ela. Perguntei:

- Você viria conosco Ayeska?
- Se não incomodá-los, posso sim.

Ótimo! Era o que eu queria. Como também Damien, mas eu não sabia.
Saímos do restaurante e entramos no carro dele e fomos para a Mansão StandFord; Assim como eu na primeira vez, Ayeska admirava o local, quando chegamos no local, o mesmo mordomo que abriu a porta para mim veio abrir para ela, entramos na mansão, mas não para uma iniciação e sim para outros propósitos, ali era um refúgio onde tudo se era permitido.
O salão estava vazio, não havia mesas nem cadeiras, subimos para o escritório, pedi ao mordomo que trouxesse bebidas para nós, Damien dizia que sua dose de uísque sempre estaria pronta no escritório, entramos no escritório e pedi desculpas a Ayeska por este inconveniente, trabalho num dia de folga. Ela riu. Damien já se servia do uísque e perguntava se ela queria alguma coisa, ela decidiu por uma taça de vinho e o mordomo chega com meu Absint; O mordomo sai e Damien começa a desconversar e me diz para mostrar a mansão para nossa convidada, eu fiquei incrédula, queria esganá-lo só pela brincadeirinha, mas percebi em seu olhar o seu primeiro objeto. Inventei a desculpa de olhar uns papéis e pedi que ele próprio mostrasse a mansão.

- Por aqui, por favor!

Os vi saindo de minha sala, ele pisca para mim e a partir deste ponto o relato fica por conta de Damien que me confidenciou depois.

Damien desce as escadas para mostrar os jardins a ela, sempre próximo demais, de vez em quando segurando o ombro ou pegando a sua mão e guiando para um local.
Ele começa a falar do clube, descrevendo todas as vantagens de ser um participante, mas ela não estava nem aí para isto, a única coisa que ela gostou realmente fora do local. Ao chegarem próximo ao lago, ele a convida para tomar um banho, Damien tira a roupa e mergulha, Ayeska fica olhando para o corpo dele, não era atlético mas bem delineado, talvez fizesse algum exercício físico além de sexo.

- Vamos! - chamou ele.

Ela tira a roupa e começa a andar em direção a borda do lago, Damien ficou perplexo ao ver o corpo daquela mulher, bem curvilíneo e perfeito, os seios do tamanho certo cabiam em suas mãos perfeitamente, só era preciso averiguar; as pernas longas, esbeltas e aquele olhar de quem deseja o mais puro sexo. Quando ela mergulhou ficou próximo a ele, seus corpos se aconchegaram e se beijaram. Damien estava excitado, ficou rígido só em olhá-la, pensou que morreria entre as pernas voluptuosas daquela mulher. Ayeska que não é boba, cruzou suas longas pernas na cintura de Damien, ele a segurava pela bunda, enfiando dedos na sua xana, mas ela não queria dedos, queria o pênis dele. Aconchegou mais ao corpo e sentou naquele membro, Damien suspirou. Apesar da água levitar o corpo dela, ele sabia perfeitamente que ela não era pesada e caminhou para a borda. Queria fodê-la na grama, queria apreciá-la mais, beijar o corpo todo e lamber cada centimetro de seu corpo.
Quando ele a deitou na grama, acariciou o rosto e confessou que nunca tinha ficado tão excitado quanto com ela, Ayeska riu e deixou ele continuar com as carícias. Damien a beijou novamente, suave, explorando sua boca, depois seguiu pela nuca entre uma lambida e um beijo, aos seios demorou-se mais um pouco, achava-os perfeitos: tamanhos perfeitos, bicos róseos. Desceu pela barriga, o ventre linear, lambeu seu umbigo e continuou até a sua buceta, aqueles poucos pelinhos que escondiam o segredo mais profundo, abriu-o com um beijo edeslizou a língua entre aqueles lábios róseos, ela estava molhada, não só do lago, mas também do prazer que começa a fluir. Ele não aguentando tanta excitação, seu corpo exigia a consumação do sexo puro e selvagem. Posicionou-se em cima dela e a penetroucom cautela, mas Ayeska não queria cautela, queria que ele a possuí-se rápido, queria sentílo dentro dela com toda a sua força e mobilidade.
Quando ele estocava dentro dela, ela gemia e mordiscava sua orelha, pedia para ir com mais força, mais rápido e asim ele o fez. O sol começava a se por entre as árvores do lago e ele continuava a fodê-la stisfazendo-se e ela aproveitando cada segundo, cada sensação, quando ele gozou ela estava lânguida na grama. Seu lábio tremia, queria mais. Damien sorri para ela.

- Você foi a primeira mulher que conseguiu me excitar tão rápido e exigir de meu corpo mais do que outras.

Levantaram-se, foram para o lago tomarem mais um banho, beijaram-se no lago e ele perguntou se ela não tinha interesse em participar do clube. Ela não respondeu. Vestiu-se e caminhou em direção à casa, ele a acompanhou durante todo o trajeto e quando entraram no salão eu estava sentada numa poltrona, tomando meu absint e perguntando se poderíamos ir embora.


Escrito por Camile_Lamarc


http://contosdecamile.blogspot.com/

2 comentários:

Hella disse...

Esse clube muito me interessa...rsrsr. Como se afilia?

Muito bom, Camile. E essas citações sempre deixam a leitura mais interessante.

Bjos e abraços amarrados.

Ayeska disse...

Hella, Hella...
Empolgou-se com o Damien hein???rsrs
Bjs doces as duas: Camile e Hella!