domingo, 11 de abril de 2010

Ensinando Minha Sobrinha a Dirigir

Era um final de semana de festa no meu sítio no interior de São Paulo. Meus irmãos com seus filhos e esposas, meus filhos com meus netos e alguns amigos e primos fazíamos um dia de pura curtição, futebol, piscina, churrasco, era a nossa anual reunião familiar.

Considero-me um homem de respeito, chego até a olhar pra outras mulheres, mas sempre mantive fidelidade a minha querida esposa. Porém mesmo com meus 55 anos de experiência, tenho um ponto fraco, ninfetas, e uma que tem me tirado do sério é Thaís, minha doce sobrinha.

Ela é filha do meu irmão mais velho e apesar da pouca idade, exibe um corpo perfeito, pecaminoso, seu jeito meigo é o que mais me excita. Thaís é muito apegada comigo rimos e brincamos muito. Sabia por boatos que o filho de um de meus irmãos, andava dando uns amassos nela, o que me deixava até com ciúmes!

Era Domingo, umas 11hrs eu estava jogando bola no campo de terra do sítio. Depois de jogar certo tempo dei uma parada, pois a barriguinha e a idade já não me deixam ter mais o mesmo fôlego. Meu irmão entrou no meu lugar e eu me sentei ao pé da Goiabeira descansando.

Eis que surge Thaís, usava uma canga branca sob a parte de baixo de seu biquíni rosa. Ela me disse um Oi tão gostoso que logo meu short exibia um grande volume, ficamos conversando ela continuou de pé ao meu lado, assistindo ao jogo também.

E eu a olhava descaradamente, até que minha esposa apareceu para estragar a festa, dizendo que a cerveja e o carvão tinham acabado e pedindo pra ir buscar mais na cidade. Levantei-me e então para minha glória minha sobrinha perguntou se poderia ir comigo, e claro que não rejeitei.

Entramos na minha Ranger cabine dupla e partimos. Minha cabeça borbulhava pensando como eu poderia de repente tocar aquele corpinho e foi que assim que saímos do sítio Thais me dizia que tinha muita vontade de aprender dirigir. Suas palavras entraram em meu ouvido de forma mágica.

Logo perguntei se gostaria de tentar e como ela não alcança os pedais a deixaria guiar o carro. Ela aceitou e ficou toda feliz. Fui com a Ranger até uma pequena estrada de terra. Parei o carro avistei o local e como imaginava não havia ninguém por ali.

Ela então veio se colocando no meu colo, nestes movimentos sua canga saiu, e nossa que bundinha, seu biquíni estava socadinho. Thais sentou no meu colo e meu pau duro já cutucava sua bundinha, que delícia!

Atencioso, expliquei a ela a função do manche, volante, dos pedais e engatando a primeira fui saindo bem devagar com o carro a deixando guiar. Ela sorria e guiava direitinho, minha mão pousou em sua coxa e eu ia a acariciando. Neste momento notei que ela abriu um pouco mais as pernas e me olhou de ladinho sorrindo e tinha um olhar bem safadinho.

Aquilo me deixou louco, meus dedos foram escorregando pra sua xaninha onde por cima do biquíni comecei a esfregar meus dedos a sentindo, uhmm carnudinha, ela não fazia nada para impedir.

Por trás levei minha outra mão até seu peitinho, e fui adentrando o biquíni e massageando, apertando o biquinho daquele peitinho gostoso. Eu mordiscava seu pescoço e ombros e roçava minha barba fazendo-a arrepiar-se.

Enfiei a mão dentro da parte de baixo do biquíni tocando sua xaninha, esfregando bem forte meus dedos. Thaís soltava breves gemidos, reparei que o carro começou a entrar no mato, ela nem olhava mais, então parei o carro puxei o freio de mão virei seu rostinho e a beijei!

Minha língua entrava na sua boca e brincava com a dela de forma safada enquanto meus dedos tocavam intensamente sua xaninha e também massageava seus peitinhos. Foi então que me surpreendi ao sentir sua mãozinha entrar por dentro do meu short e agarrar meu pau o apertando, ela me olhava sorrindo bem safadinha.

Perguntei a ela se ainda era virgem, ela balançou a cabeça sorrindo indicando que não, bom, de certa forma sua resposta me causou mais alívio e então comecei a abaixar o banco até deitá-lo totalmente, puxei meu short e cueca pra baixo e me arrastei um pouco pra cima. Mandei a chupar meu pau, e o segurando em suas delicadas mãos começou a chupá-lo, que delícia, que boquinha gostosa!

Depois de quase me fazer gozar, pedi que ficasse peladinha, ela foi tirando todo seu biquíni, e que corpo era aquele! Aqueles peitinhos, aquela bucetinha lisinha. Peladinha, ela deitou sob meu corpo, nos beijamos; Ela levou seus peitinhos em minha boca, os chupei de forma voraz e ao mesmo tempo eu socava um dedo na sua buceta.

Dei um tapinha em sua bunda e falei que queria chupar sua bucetinha, ela veio engatinhando andando sob mim e sentou na minha cara colocando sua menina pra eu chupar. Que delícia, inexplicável até, lisinha, molhadinha chupei-a bem forte socando minha língua. Massageava seu grelo; ela gemia e rebolava sob minha boca.

Disse a ela, vai lá cavalga no tio. Ela foi toda safadinha, ajeitei meu pau na sua xaninha e ela foi sentando, que gostoso, apertadinha, molhada, quentinha. Logo minha doce sobrinha estava cavalgando no tio, como uma putinha safada. Minhas mãos massageavam seus peitinhos e brincava com seus biquinhos pontudinhos.

Após cavalgar bastante a virei no banco e fiquei sob ela, enfiei um tapa bem gostoso na sua bundinha mandando ficar empinadinha, soquei o dedo na sua xaninha bem forte e rápido, seus gemidinhos eram deliciosos e depois soquei a rola na sua buceta. Metendo forte, aumentando o ritmo a cada segundo, foi então que ela gozou, sua xaninha apertava mordiscava meu pau.

Que merda! Eu estava sem camisinha, era melhor não gozar dentro. Então após bombar bastante e sentir que ia gozar, tirei meu pau e mandei-a chupar. Ela veio rapidinho, faminta, o engoliu quase ele todo e chupava e me punhetava até que jorrei muita porra na sua boquinha. Eu a olhava impressionado, pois ela tomou tudinho sem deixar derramar nada.

Que delícia!! Depois disto ajeitamo-nos e fomos para a cidade, é difícil andar com ela em público quase briguei com uns três caras porque com ela só de biquíni e canga andando no mercado atraía o olhar de vários marmanjos e coroas. Voltamos para o sítio, ela me agradeceu por ter ensinado a dirigir e ainda disse com um sorriso safado que sonhou com este dia. Ela saiu e vi que foi para a piscina.

Em uns 10min, comecei a levar as coisas para dentro de casa. Eis que no meio do caminho encontro um grande primo meu! Pensei até que não viria para a reunião de família, nos abraçamos e ele me ajudou a levar as coisas. Quando passamos pela piscina, de lá saiu Gabriela, a filha deste meu primo, que ninfeta! Usava um micro biquíni e veio correndo até mim e me deu um abraço bem gostoso e no pé do meu ouvido disse: - Tio, o senhor também me ensina a dirigir?
Olhei para a piscina. Thaís me olhava sorrindo.


Escrito por DomGaspar

Nenhum comentário: