segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Um Domingo de Prazer

Domingo, não há nada mais gostoso que um domingo de céu azul, sem nuvens, as folhas das árvores se agitando com o vento gostoso.

Uma mistura de temperaturas.

Eu estava com os pés na água, olhando maravilhada para aquele lugar.

Um verdadeiro Paraíso, a sombra da arvore centenária de grandes raízes fora da terra, o perfume das flores silvestres.

Estava de bermuda jeans preta, camiseta, sentada a espera DELE.

A água fresca, límpida aos meus pés.

Fechei os olhos e um arrepio de ansiedade me percorreu.

Não via a hora de estar com ele, de sentir sua fome, seu calor, seu corpo.

Alguns minutos se passaram e escutei o trote suave e passos.

Era ele acompanhado de sua menina, branquinha e altiva.

Me levantei e descalça fui até a direção deles; não esquecendo de pegar na mochila o docinho favorito dela.

Me aproximei, acariciando-a sentindo-a macia , sua crina com trancinhas, e o cheirinho inconfundivel do seu shampoo de flores. Ela era muito mimada.

Mas eu também era. ELE me mimava e muito.

Enquanto ela foi para a sombra, me aproximei DELE.

Cingi sua cintura e o abraçei fortemente, senti sua excitação de imediato.

Levantei a cabeça e seus lábios desceram sobre os meus com uma fome voraz, me deixando sem fôlego, enquanto eu na ponta dos pés me esfregava em sua ereção.

Ele é mais alto que EU, mas faz-me sentir segura, amada em seus braços.

- Nossa, lindinha que saudades...faz tempo que está aqui? – perguntou enquanto suas mãos acariciavam todo o meu corpo. E minha vontade de tê-lo dentro de mim, era tanta que eu não saberia dizer qual dos dois estava mais esfomeado pelo outro.

Meu coração batia aceleradamente.

- Não muito, querido.

Começamos a nos despir e nus nos abraçamos e nos beijamos.

Eu havia estendido um lençol no chão. O esperava e sabia que agora juntos, teríamos nossa hora de prazer, tesão e culminando na “ le petite mort”.

Coloquei minha mão em seu pênis e senti-o vibrar, enquanto ele me beijava o pescoço, lambia um dos meus ouvidos, me causando um tesão enorme.

Eu tinha alguns lugares sensíveis...rsrs, os quais me deixavam meladinha de excitação.

Senti a umidade e esfreguei as coxas uma na outra.

Suas mãos subiram pelos meus seios brancos de biquinhos tesos e vermelhinhos.

- São tão apetitosos...macios...quero suga-los como se fosse um bebê!

Seus lábios beijaram meus seios com sofreguidão, lancei a cabeça para trás, entregando-me totalmente. Sua língua açoitava meus mamilos, acariciei seus cabelos com uma das mãos, enquanto a outra fazia movimentos em seu pênis enrijecido. Seus lábios foram descendo e entre lambidas, ele mordiscava suavemente meu corpo.

Ele percorreu meu ventre com a sua língua, enquanto acariciava minha vulva com dedos ávidos.

- Ahh meu amor...estou me sentindo toda molhadinha....que língua gostosa! Ahhh...chupe, amor...chupe.. – sua lingua lambeu minha vulva em toda a sua extensão, em seguida senti sua língua adentrar pela minha vagina e a movimenta-la em seu interior. Passei a mover os quadris sentindo o tesão me levar a completa loucura.

- Eu...tambem quero te chupar meu amor...quero arrebata-lo...

Ele mudou de posição, com os corpos agora em posição invertida, num 69 começamos a tentar matar a fome que nos envolvia completamente.

Lambi a glande com suavidade, brinquei com ela, até que seu pênis penetrou minha boca. Eu o deixava se aproximar até a minha garganta, para depois recuar minha cabeça lentamente, num ir e vir interminável. Cheguei a colocar suas bolas na minha boca, revolvendo-os com minha língua, para depois voltar a chupar seu pênis.

Abraçada as suas pernas eu o sugava com sofreguidão.

- Vamos...gozar um com outro...assim como estamos ? – sugeri timidamente.

- Tudo o que quiser minha lindinha... – ele respondeu afastando a boca da minha vagina por alguns instantes.

Minha cabeça movia-se sem parar e minha boca, chupava, lambia sua glande e pênis com loucura.

Ele lambia meu clitóris alternando com penetrações linguais profundas.

De súbito tive minha boca inundada pelo sêmen do meu Macho.

Um instante depois, eu gozava também em sua boca, esfregando minha vagina melada em sua boca.

- Quero mais meu Amor...

- Quem disse que terminamos, Ayeska? Quero você completamente mole e arrebatada em meus braços.

Novamente procurei seu pênis que perdera o volume, mas não suas proporções. O peguei entre meus lábios e voltei a suga-lo, chupando os resquícios do seu sêmen que havia ainda. E uma nova ereção iniciou.

De repente interrompi e corri em direção ao riacho próximo de nós.

- Ora...

- Tente me pegar! – gritei rindo alegremente.

Ele correu até o riacho me pegou no colo e correu de volta ao local onde se encontrava o lençol. Me colocou deitada e me abraçando, cobriu meu corpo com o seu, e num movimento eu rolei com ele.

Senti entre minhas coxas, seu pênis rijo, quente .

- Venha, Horse...sou inteiramente sua...só sua.. – Minha vagina estava novamente úmida, orvalhada, pronta agora para ser penetrada. Eu ansiava por isso, senti-lo dentro de mim, firme, rijo.

Minha mão pequena e macia, pegou seu pênis e o coloquei entre meus lábios vaginais enquanto meus olhos não desgrudavam dos dele.

Ele empurrou para dentro, penetrando somente a extremidade.

Senti ele distendendo meus lábios vaginais.

EU empurrei meu ventre para o alto, precisando senti-lo, completa e totalmente dentro de mim.

Ele com uma estocada profunda e sua boca mordiscando levemente meu pescoço, arreganhei minhas coxas e minhas pernas o enlaçaram trazendo-o mais profundamente dentro do meu ninho quente, macio e úmido.

- Mais...Amor meu...um pouco mais...ohh! Está me matando assim...- meus braços enlaçaram seu pescoço, minhas mãos procuraram suas costas e cravei minhas unhas nelas o arranhando conforme ele estocava dentro de mim.

Sentia seus dentes morderem suavemente meu pescoço, meu ombro.

- Quero levava ao mais alto grau de tesão, de arrebatamento...minha lindinha...

- Horse...quero...cavalga-lo...deixe-me ser sua amazona...

- Se é o que deseja...

Eu o montei, encaixando seu pênis em minha vagina de novo.

E comecei a fazer intensivos movimentos laterais com meus quadris, enquanto forçava seu pênis penetrar mais e mais na minha bucetinha.

Eu estava com os dentes trincados, minhas mãos em cima do seu tórax, com uma expressão lasciva eu gemia, gritava.

Seu pênis me preenchia toda, passei a mover os quadris com maior volúpia, para cima e para baixo, Ele correspondia com igual ardor, dando estocadas firmes para o alto, e a cada estocada eu gritava e gemia.

Minhas unhas agora atritavam seus mamilos.

Ele inclinou seu corpo e passou a sugar os bicos dos meu seios, enquanto eu resfolegava sem parar, girando os quadris e pressionando as coxas , sentindo seu pênis estocar firme dentro da minha vagina sequiosa.

- Ahhhhhh Horse....como isso é gostoso...Ahh vou gozar por todos os poros...

Nossos gemidos, e nossos corpos em sintonia, sincronizados.

De repente ele sentou e fiquei sentada no seu colo, meu corpo subia e descia de encontro ao seu pênis que me alucinava.

O abracei forte, meus seios esfregando-se em seu corpo.

Ele me segurava firmemente pelos quadris enquanto minha vagina o envolvia e o apertava. Minha boca, mordiscou seu queixo, lambi seus lábios , pescoço.

- Goza comigo Horse... Vamos gozar juntinhos de novo...só que dessa vez você gozando dentro de mim..

Tive um estremecimento e gozei de forma selvagem, mordendo seu ombro, marcando-o como MEU...

Mudamos de posição, eu me coloquei de lado e elevei uma das minhas pernas.

A principio ao senti-lo novamente dentro de mim, me despertou novos ardores, mas minhas paredes vaginais se acostumaram e se umedeceram outra vez.

Ele intensificou seus movimentos, emparelhando-se com as oscilações dos meus quadris.

E o senti em jatos quentes e gozei novamente, nossos fluidos se misturando.

Gozamos harmoniosamente.

Ficamos abraçados, enquanto ofegávamos pesadamente.

Depois nos separamos e estiramos no lençol, mas de mãos dadas e olhando um para outro, um sorriso em nossos lábios..

Adormeci , mas logo fui despertada e levada no colo para o riacho.

Ele procurou um lugar onde sentou-se e recostada em seus braços, sentimos a água fria nos envolver, enquanto olhávamos nossa menina dormir serenamente.


Dedico esse conto ao HORSE_LOVER e a MANDALA, que tomaram conta do meu coração!

Escrito por Ayeska

Nenhum comentário: