quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Paixão Selvagem X Sonho Bom


O lugar era o paraíso terrestre, as ninfas dos bosques se existissem ficariam apaixonadas pela beleza do local. E lá estava ele, completamente nu e tomando banho no riacho.

Meus olhos não se despregavam daquele homem alto, forte sem ser atlético, cabelos pretos, no auge de sua virilidade.

Meu sangue ferveu com aquela visão, minha vagininha umedeceu a calcinha e tive que esfregar uma coxa na outra. Meu seios se avolumaram, meus batimentos cardíacos aceleraram, os bicos dos meus seios fizeram uma pressão dolorosa na bata fina e transparente que ia até as minhas coxas.

De repente ele sentiu-se observado e olhou em minha direção.

Um espécime masculino com olhar predador.

Os pelinhos louros do meu braço se arrepiaram com o olhar penetrante.

Aquele olhar de macho que sabe o que quer: E ele me queria.

Ele estendeu sua mão e não foram necessárias palavras.

Me aproximei sentindo-me pequena com meu 1,65m diante daquele homem másculo.

Trajando apenas a bata fina , transparente e a calcinha fiquei diante dele, minha mão desapareceu na sua.

Com a outra ele colocou uma mecha do meu cabelo vermelho atrás da orelha.

Sua mão puxou-me em sua direção e sem uma palavra sua boca desceu sobre a minha.

Com um beijo voraz ele enfiou sua língua dentro da minha boca e senti como se o ar fosse puxado dos meus pulmões.

Apesar de pequena perto dele me esfreguei em seu corpo e minha mão procurou seu pênis duro.

Comecei alisa-lo pra cima e pra baixo, sentindo sua textura, sua rigidez.

Suas mãos agora me apertavam mais e mais de encontro ao seu corpo quente e molhado. Quente de tesão e molhado pelo banho do riacho.

Sua boca afastou-se da minha e senti seus dentes arranhando meu pescoço.

Minha bata agora úmida colava em meu corpo quente.

Com suavidade ele a tirou sem palavras, apenas fitando meus olhos.


Depois com ternura tirou minha calcinha, seu fundo úmido.

Ele a pegou e cheirou.

Logo em seguida puxou-me novamente para os seus braços, seus dentes cravando-se não muito forte em meus ombros.

O abraçei sentindo seu cheiro, sua pele.

Tudo nele me embriagava, me deixava tonta.

Sua boca traçava todo o meu corpo, ele me lambia, me sorvia.

Seus dedos esfregavam os bicos dos meus seios deixando-os sensíveis.

Eu gemia.

Ele agarrou minhas nádegas e me fez sentir seu pênis roçando minha vagininha.

“ Nossa fui a loucura,adoro sentir a glande roçando minha bucetinha, esfregando o grelinho.”

Me pegando no colo me levou até a margem do riacho e me deitou.

Seus olhos pareciam ter fogo neles e sua cabeça abaixou-se em direção da minha bucetinha.

Ele não falava absolutamente nada e a única coisa que se ouvia eram os meus gemidos de fêmea excitada.

O toque da mão dele,roçando minha vagininha, era possessivo e provocador.

Ele subiu seu corpo em minha direção e sua boca lambeu os biquinhos duros e vermelhinhos, depois lambeu ao redor deles.

Beijou meu pescoço, enquanto sua mão entre minhas coxas avançava um pouco mais.

Um dos seus dedos penetrou minha vagininha umedecida e lubrificada, provocando-me.

- Ohhh....que tesão...- gemi movendo meus quadris para que a mão dele roçasse minha vulva com mais força.

A ponta do seu dedo tocou meu clitóris ereto, estremecendo, apertei-me mais e mais nele.

Ergui a cabeça oferecendo meus lábios, meu rosto vermelho como se estivesse febril.

Ele roçou meus lábios com sua língua e prendi-a entre os dentes, depois suguei sensualmente.

Ele deitou-se sobre mim, beijando-me demoradamente, apertando-me em seus braços fortes, fazendo-me sentir feminina e pequena em seus braços.

Uma fêmea no cio.

Lasciva.

Seu pênis encaixou entre minhas coxas brancas e grossas e ficou provocando-me com movimentos sutis de quadris sentindo minha vagina melada de tesão.

Lentamente, seus lábios iniciaram uma caminhada sobre meu corpo inquieto.

Descendo do pescoço até os seios, onde ali se deteu por alguns instantes para lambe-los, mordisca-los, suga-los.

Eu gemia como uma gata no cio, lançando minhas mãos sobre o corpo dele, apertando os músculos sólidos e bem definidos.

A boca ardente dele desceu pelo meu ventre , sugando e mordiscando.

Eu arfei deliciada, contorcendo-me, quando seu hálito ardente passou por sobre minha vagina.

Ele mordiscou a parte interna das minhas coxas, antes de subir lentamente, até que o calor de sua respiração me provocava arrepios.

- Ohhh que delicia...ohhh mais .... - gemendo abri ainda mais as pernas, flexionando os joelhos e erguendo os quadris, para que sua língua tivesse ampla liberdade de movimentos na minha vagina.

As mãos dele subiram pelo meu corpo, massageando meus seios e beliscando os mamilos endurecidos.

Senti sua respiração na minha vagina até que ele esticou a ponta da língua e provou meu sabor.

Gemi alto e lançei meu quadril de encontro à ele.

Sua língua estendeu-se novamente tocando meu clitóris, rodeando-o,apertando-o, brincando com ele. Depois decidido e provocando, deslizou por entre os lábios da minha vulva, percorrendo-a para baixo, para cima, buscando o orificio da entrada da minha vagina estreita.

Eu vibrava, gozando, maravilhada com aquele homem meio instintivo, meio racional.

Nada falava, só fazia.

Meus joelhos tremiam , meu ventre ardia em fogo.

- Enfia...enfia..-supliquei quase sem fôlego.

Ele atendeu,enfiando sua lingua na minha vagininha que se comprimiu ao redor dela. Apertei sua cabeça entre minhas coxas, estremecendo-me toda.

- Assim..sim..delicioso..mais.. com força...- gemi alucinada.

Ele insistiu na caricia, fudendo com a lingua a minha vaginia apertada, enquanto eu gozava sucessivamente.

Gemendo baixinho, sentindo incapaz de conter a paixão selvagem que misturava à dele, eu o agarrei e o apertei contra mim, sentindo sua pele contra a minha, sua boca, nossos sexos se tocando, roçando-se fortemente.

Ele me beijou longamente, sugando e mordiscando meus lábios, enroscando sua língua na minha.

Depois sua boca inquieta desceu para os meus seios, sugando-os,mordiscando-os, lambuzando-os com sua saliva e paixão.

Eu tremia, suava, apertando-o contra mim.

Seus lábios deslizaram movendo-se de um seio para o outro.

O cheiro de xoxota orvalhada impregnava o ar.

Como que atraído pelo cheiro , ele desceu sua boca indo se concentrar ali.

Um arrepio fez com que eu arqueasse o corpo.

Novamente sua língua ávida e experiente penetrou profundamente na minha vagina.

- Ohhh...enfia...estou adorando seu tesão...quero gozar mais e mais...forte...deixe-me te-lo dentro de mim...-gemi

Ele então deitou-se de costas, ereto imponente, seu penis se exibiu aos meus olhos extasiados, suspirei de tesão.

Ajoelhei-me ao lado dele, segurei-o entre minhas mãos pequenas e macias e masturbei-o lentamente. Ele suspirava e se contorcia.

Lentamente inclinei a cabeça e meus lábios roçaram a glande avermelhada, lambendo-a em seguida com a língua úmida. Deixei então que escorregasse para dentro de minha boca,sugando-o com força.

Então ele me puxou novamente para cima de si, sua cabeça ficando entre minhas coxas.

Enquanto eu o chupava, saboreando seu penis como um néctar dos Deuses, ele voltou a penetrar sua língua em minha vagina, subindo e descendo, girando sobre o clitóris e levando-me ao delirio.

Com um grunhido. o único som saido da sua garganta, ele interrompeu aquele 69 para deitar-me e abraçar-me com força.

Nossas línguas se tocaram, trocando salivas.

- Foda-me...por favor...quero voce dentro de mim...com força...mais e mais...enfia por favor..Fica.. Comigo...- gemi abrindo as pernas, ansiosa para senti-lo profundamente dentro do meu corpo.

Ele deitou-se de costas e me trouxe para cima dele, me ajoelhei sobre ele e acomodei sua glande enorme à entrada da minha grutinha.

Depois lentamente, enquanto ele apertava meu seios, deixei aquela carne rija e quente deslizar para dentro de mim, enterrando-se até os testículos, inundando-me com uma sensação de calor e prazer. Rebolei os quadris, girando-os, fazendo ele somente gemer. Provocantemente iniciei movimentos de vai vem, subindo e descendo o corpo, enterrando e desenterrando aquele pênis de minhas entranhas. O prazer crescendo, selvagem, agigantando-se. Gemendo e suspirando,fazendo pressão no seu pênis, inclinei-me em sua direção, mordisquei seu pescoço, minhas unhas arranhando seu peito com selvageria, enquanto eu acelerava os movimentos, contraindo minha vagina com espasmos de prazer.

Sem falar nada ele agarrou minha cintura e coordenou seus movimentos aos meus, golpeando com força, profunda e potentemente.

O orgasmo foi intenso, selvagem, arrebatador. Tombei sobre ele, beijando e sugando seu lábios, enquanto ainda movia os quadris, fazendo seu pênis deslizar por entre minhas carnes, agora duplamente lubrificadas.

Ele beijou-me longa e ardentemente e a única palavra que ouvi foi.

- Meu sonho bom...


Dedico esse conto a uma pessoa Muito Especial e que me Arrebata!

Seu nome: Rafael...fica comigo!


Escrito por Ayeska

Nenhum comentário: