terça-feira, 15 de setembro de 2009

Um dia no Paraíso

 



A noite tinha sido chuvosa, a madrugada carregada e lamuriosa e o barulho da bica derramando água e as goteiras aos poucos cessavam, e antes do dia nascer a chuva havia passado. As nuvens se dissipavam e a aurora se anunciava preguiçosa e logo o Sol surgiu glorioso anunciando o novo dia. Eu havia despertado depois de um sonho lindo, e eufórico saltei do pequeno colchão estirado ao chão e pelas frestas do telhado eu podia ver os raios do sol invadindo o recinto. Que dia lindo.
Ao sair lá fora, o cheiro de terra molhada e o azul do céu me davam as boas vindas, a relva viçosa ainda carregada com gotas d’água e a neblina moldavam a paisagem linda ao meu redor. Eu tive um pressentimento agradável e uma felicidade me encheu o peito. Eu não sabia se ela tinha recebido meu recado e não estava certo se ELA conseguiria achar o caminho, mas, eu estava torcendo para que ela conseguisse. Mesmo distante meus pensamentos estavam focados nela.
Eu tinha explicado certinho o caminho por telefone, disse que na estrada tinha uma Placa enferrujada e que devia virar na primeira curva a direita, uma estradinha apertada e cheia de curvas, e logo depois de um riacho tinha uma colina muito linda e um bosque sossegado com muitas arvores e do outro lado tinha uma casinha de madeira escondida entre as arvores, onde eu estaria dormindo esperando por ela.
Desci correndo até o riacho e dei um mergulho naquela água fria e cristalina me revigorando a alma e os sentidos, o Sol me tocava o rosto e um calor me subiu o corpo quando avistei seu carro lá no fim da estradinha perto da colina. Meu coração palpitou e os meus olhos vasculharam o bosque e lá em baixo de uma arvore, deitada sobre a relva ELA estava lá, parecia que estava dormindo intocada e linda, seu corpo divino se destacava entre as folhagens verdes. O vento e o sol anunciavam o Verão, e sem demora corri ao seu encontro, em silencio, sem despertá-la, ao chegar perto ela estava dormindo descansando da viagem... aproximei-me bem devagar.
Aproximei meu rosto junto ao dela, sentindo o cheiro de seus cabelos e o perfume de seu corpo, por um breve momento contemplei seu rosto lindo e seus lábios demonstrando estar sorrindo como se estivesse tendo um sonho lindo.
Ela estava tão linda com aquele shortinho jeans curtinho valorizando suas pernas volumosas, e sua blusinha amarrada exibiam seus lindos seios recobertos por aquele soutien pequenino, seu corpo de mulher menina pecaminosamente esculpido pelos deuses do Amor me deixavam louco de desejo.
Retirei minha camisa molhada e jogando ela de lado me aproximei de seu corpo feminino ficando por cima dela sem tocá-la, e cheguei minha boca bem perto de seu pescoço sentindo o cheiro de seu perfume tocando de leve a minha face na pontinha de seu nariz, quando percebi que ela iria acordar, recobri seus lábios carnudos com a minha boca e envolvi sua lingüinha macia num beijo gostoso e demorado trazendo ela de volta daquele sono tranqüilo. Seus olhos se abriram e me fitaram enquanto ela me abraçava me trazendo pra junto dela... nossos corpos se juntaram, meu corpo envolveu seu corpinho lindo e por cima dela fui tirando aos poucos suas pequeninas peças de roupa deixando o seu corpo nu, ela com suas mãos delicadas deslizavam sobre meu peito molhado e quente de desejo. Deitei-me sobre ela sentindo seus seios fartos de contra meu tórax e uma brisa suave refrescava nossos corpos ardentes de desejo.
Com a mão direita deslizei sobre suas pernas e sentindo o calor de suas coxas tremulas ate encontrar sua vagininha molhada ainda protegida por aquela calcinha de rendas toda encharcada e meladinha, e com muito jeito, trocando os dedos liberando seus lábios lascivos até dedilhar seu grelinho ávido, lhe fazendo enrijecer como suave toques, fazendo seu corpo se contorcer, ela soltou um gemido abafado enquanto eu lhe mordia a orelha e minha respiração ofegante tocava sua pele lhe faziam ter espasmos de prazer. Eu arranhava seu pescoço com meus dentes esboçando mordê-la de maneira forte enquanto sentia ela deslizar suas mãos até meu membro rijo até segurá-lo firmemente. Num movimento suave recostei meus lábios em seus ombros beijando sua pele macia e com a língua percorrendo sei peito até envolver seus seios sentindo o biquinho durinho enquanto minha língua o massageava em movimentos circuncisos e lentos.
Ela jogou sua cabeça pra trás languida erguendo seu corpo procurando ser envolvida e penetrada enquanto suas mão massageava meu pênis com determinação e carinho. Senti seu corpo febril, ela estava quente, ardendo de desejo. E enquanto eu a envolvia, seus lábios esboçaram palavras espremidas me dizendo baixinho enquanto eu mordia seus seios fartos...
-- Senti sua falta, não fuja de mim novamente.
-- Estou aqui, vc me achou.
Eu estava completamente arrebatado pelo calor de seu corpo, e me deixei ser levado pelas suas fantasias, eu queria sentir ela conduzindo meu corpo aos seu bel prazer, e pra minha surpresa ela segurando meu membro bem firme me trouxe pra perto de seus peito me fazendo tocar o pênis nos seus seios colocando-o no meio de suas divisórias, depois os apertou contra meu membro e começou a massageá-los em movimentos de vai e vem, me dizendo...
-- Me acompanha, quero vê-lo gozar.
-- Tem certeza disso?
-- Sim... quero sentir o seu corpo, seu membro e o seu leite quente a banhar meu rosto.
-- Hummm... que gostoso.
Eu estava arrebatado de tesão ao ver aquela fêmea suplicando pelo meu leite, sedenta, faminta, eu vibrava de tesão ao sentir aqueles seios fartos envolverem meu membro, ela massageava com força enquanto mordia os lábios observando a glande do meu membro sendo castigada pelos seus seios ardentes, me veio um tesão enorme ao sentir que estava quase gozando, eu nem mesmo queria segurar, deixei rolar sem pudores, já que queria ver ela toda banhada com meu leite. Não demorou muito e quando ela percebeu o meu clímax apertou bem seus seios e com força e alguns movimentos a mais, me fez gozar divinamente, me fazendo explodir num gozo desenfreado e meu esperma a jorrar sobre sua face, pescoço e sobre seu peito, eu URREI de prazer....
--Ahhhhhhhhhhhhhh...
-- Foi maravilhoso, meu querido.
Seus olhos me fitavam, e eu abrindo um sorriso, peguei na minha calça estirada logo do lado, e tirando um lenço do bolso limpei seu rostinho lindo, e, depois disso sem demora, comecei a correr minha lingüinha sobre seu peito... descendo... descendo até os lábios de sua bucetinha molhada. O seu corpo nu ali deitada me fez contemplar por um instante, e num súbito momento queria ser um predador e devorá-la todinha, meu instinto de macho aflorava os poros de minha pele, e um novo calor me subiu os sentidos me fazendo ficar aceso novamente, aquele sentimento me guiavam me fazendo desejá-la, eu queria possuí-la, fazê-la sentir o meu corpo a preencher seu sexo sedento e lascivo. De repente me afasto ligeiramente começando pelos pés, beijando seus dedinhos, subindo, beijando seu tornozelo e seus joelhinhos passando a língua sobre suas cochas alternando, direita, esquerda, enquanto eu olhava os seus olhos a me fitar, me devorando com seu olhar de LOBA. Eu a beijava suavemente, recostando meus lábios em sua pele febril, ela estava quente, sua pele estava molhada de suor e seu perfume e o cheiro de sua pele feminina me deixavam louco, e quando aproximei minha boca bem perto de sua vagina vendo seus lábios vaginais aflorados e dilatados, rosadinha e toda meladinha senti o cheiro delicioso que me fez sentir um frio na barriga e um frisson percorreu minha pele e o meu membro já ereto chegou a doer de tão duro, como um garanhão sentindo o cheiro de sua Fêmea do CIO.
Quando me dei por mim, já estava abocanhando sua vagininha macia e meladinha, percorrendo cada dobrinha, cada pedacinho daqueles lábios tesados de desejo, massageando seu grelinho com minha língua ávida lhe fazendo apertar suas cochas contra a minha cabeça, escutei ela urrar de desejo...
-- Ahhhhhhhh... hummmmm....continua... vaiiiiii...mais.... assimmmmm.
Eu acelerei os movimentos com minha língua sentindo ela se contorcer nos meus braços, e num espasmo forte... ela curvou seu corpo pra cima e cerrou suas mãos sobre a manta que deitava por cima e gritou forte...
-- Eu vouuuuuuuuu GOZARRRRRRRRRRRRRRR..... Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh.
Sua bucetinha ficou realmente muito quente, e dava espasmos enquanto eu sentia ela gozando forte... o seu suco vaginal delicioso inundava minha boca e escorria por entre suas pernas. Eu fui ao delírio sentindo minha fêmea gozando forte ao sabor de minhas chupadas. Ela estava toda molinha, dava pra ver seu rosto vermelhinho enquanto ela mordia os lábios com seus olhos fechados lacrimejando de tanto tesão... aquilo me fez vibrar. Sem deixar ela acordar daquele transe... me debrucei por sobre ela sem encostar meu corpo por sobre, toquei sua face à minha sentindo seu rosto febril e sua respiração ofegava soltando soluços reprimidos sentindo seu corpo trêmulo.
E sem mesmo qualquer aviso, me deito por cima dela, a envolvendo por completo e num único movimento me lanço por entre suas pernas e a penetro forte... numa única estocada fazendo seu corpo ser impulsionado pra frente, e em resposta ela lança suas mãos por sobre minhas costas me arranhando som suas unhas afiadas e felinas, nós “dois” deixamos escapar gemidos abafados de prazer... de entrega total, arrebatados no ápice do amor, nossos corpos suados se deleitavam ao sabor do ato. Um momento sublime que nos fazia cúmplices da paixão, respondendo a cada movimento, o instinto nos faziam livres.
Depois daquela estocada forte, ela me abraçou com suas pernas e com os ombros apoiados encontrei uma posição confortável trazendo o corpo dela bem junto ao meu, e com estocadas fortes porem pausadas comecei a impor um ritmo gostoso, e a cada estocada forte eu sugava sua respiração enquanto a beijava sentindo sua lingüinha envolver a minha e pequenos gemidos se sentia sendo liberados por sua garganta suadinha, e com uma das mãos eu massageava seus seios que balançavam ao sabor de minhas estocadas... eram penetrações fortes, compassadas, ritmadas e objetivas, e vez ou outra dava um juntada nela só pra ver a reação de seu corpo sentindo meu pênis pulsando dentro de sua vagininha quente e gulosa. Nossos corpos estavam banhados de suor, e aos poucos eu sentia meu orgasmo chegando cada vez mais, as vezes parava um pouco pra prolongar mais o ato sentindo ela gozando seguidamente fazendo seu corpinho girar de um lado pra outro em movimentos lascivos, que me deixavam louco.
Eu já começava a sentir as pernas doerem e o cansaço chegando junto com o orgasmo que vinha decidido, me fazendo então acelerar os movimentos e a forçar mais cada estocada. Fazendo ela Urrar novamente até que senti que não agüentaria mais... e cerrando os dentes e com muito esforço falei baixinho pra ela...
-- Me abraça forte, minha querida... eu vou gozar forte.....
-- Goza comigo meu Amor...vai mais forte.... mais forte...maisssssssssssss
Ela me abraçou forte e me acompanhando nos movimentos forçando suas pernas contra as minhas, senti meu corpo ser tomado por um frenesi enlouquecedor, até explodir num orgasmo AVASSALADOR, eu dei um urro de prazer... sentindo meu esperma jorrando dentro de sua vagininha quente...
-- Orrrghhhhhhhhhhhhhhhhh,
-- Hummmmmm que delicia, goza forte meu Amor, goza junto comigo...assimmmmm
Desabamos juntos, agarrados ainda embriagados de prazer, sentindo nossos corpos tremerem de tesão e sendo agraciados pela sensação sublime de satisfação. Ficamos ali abraçados por um bom tempo, demoramos a nos desvencilhar de nossos corpos, e quando eu sai de dentro de sua vagininha comecei a lhe limpar o corpo e secar o suor de seu rosto com muito carinho, olhando em seus olhos lindos. O vento tocou nossos corpos desfalecidos na relva, de repente ela me mostra la longe algo que chamou sua atenção...
-- Olhe o que é aquilo? – me mostrando algo ao longe nas campinas, de cor branca e muito lindo.
-- A sim... aquele cavalo branco, lá bem distante. Rsrs, é lindo não éh?
-- Sim, é muito lindo, eu não tinha visto antes. Estava sempre por aqui?
-- Sim, ela é a guardiã desse paraíso... esse lugar lindo que vc conheceu hje.
-- Você nunca havia falado desse lugar tão bonito antes, que lugar é esse?
-- Esse lugar, muito especial que vc conheceu hje, é o cantinho mais distante do meu Coração, e vc agora já sabe como entrar, espero que fique o quanto quiser... meu Amor.
Depois daquelas palavras, não conseguimos ver, ou ouvir mais nada. Adormecidos ali juntinhos, na relva, sobre a mata, naquele dia LINDO de verão, esperando pra sermos despertados novamente, em uma outra história, em um outro conto.

Ayeska... I’ll be there, waiting for u. and remember, u’re my sunshine, u’re my everything. Keep the keys of my heart, and open it when u need my love.
Escrito por Horse_Lover

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Confissões Eróticas: Luke

Continuação de Confissões eróticas: A Enfermeira e o Adolescente Virgem.

A vontade de senti-lo dentro do meu corpo era tanta, que comecei a beija-lo e esfregar meu corpo no dele. Não demorou muito seu pau que estava flácido após o boquete começou a reagir novamente ficando duro e ereto.

Eu toda cheia de tesão ; sentindo minha buceta piscar e pulsar querendo aquele volume de carne ereta e macia dentro dela, suspirando disse:

- Luke, quero sentir você me penetrando bem gostoso, atolando com tudo seu pau dentro da minha buceta. E quero ouvir uma música muito especial enquanto faz isso; você gemendo bem gostoso no meu ouvido...

Deitado com o pau ereto, o corpo jovem (o suor do seu corpo como um afrodisíaco), o montei encaixando minha buceta melada em toda a extensão do seu pau duro em seu ventre. Inclinando sobre ele segurei seu rosto com todo carinho e comecei a beija-lo ; lambia seus lábios, mordiscava-os e enfiando a língua senti o céu da sua boca, seu gosto, sua saliva.

Comecei a rebolar e sentir aquele pau duro na minha xoxota, continuamos nos beijando e fui penetrando mais e mais minha língua em sua boca, aumentando mais intensidade do beijo.Meus quadris aceleraram os movimentos, comecei a lamber seu pescoço e orelha, excitada e emitindo gemidos o deixei mais louco. E eu ouvia seus gemidos na minha orelha...que tesão!!! Ele bolinou meus seios redondos e brancos e começou a mamar. Lambia, chupava forte os biquinhos durinhos e vermelhinhos de tesão e dava mordidinhas. Não agüentando mais a vontade de tê-lo fundo na minha buceta, parei tudo e segurei no seu pau enquanto o fitava nos olhos e comecei a passar o cacete dele nela, fui forçando a cabeça e encaixei o pau na entrada melada da minha buceta lisinha, fui descendo bem devagar, sempre olhando pra ele, queria ver todas as suas reações. Continuei descendo sentido-o todo dentro de mim. Ele soltou um gemido gostoso, seus olhos se fecharam, ele gemeu novamente e tombou a cabeça pra trás, cravou os dedos na minha bunda com força... ah gemi !!!
Meu corpo subia e descia enfiando seu pau todinho na minha buceta apertada e quente, eu gemia muito, adoro cavalgar, sentir o pau ir bem fundo. Aumentei a velocidade dos movimentos sentindo-o atolar fundo a cada descida. Ele movido pelo instinto tão antigo da cópula, empurrava minha bunda pra baixo socando minha buceta no seu pau.

Eu o olhava e o prazer que via em seu rosto e seus gemidos me davam mais tesão, me levando à loucura. Ele forçava meu corpo na sua pica, o sentia batendo no meu útero devido as intensidades das suas arremetidas. Eu já estava quase gozando e ouvia o barulho da minha buceta molhada batendo no pau dele, ele gemendo mais alto a cada estocada. Enlouquecida pelo tesão e por saber que era a primeira vez dele, comecei a pular no seu pau atolando rápido e forte.

- Luke...ahhh goza...goza dentro de mim...quero sentir sua porra, seu leitinho dentro da minha buceta..ahh goza gostoso, goza... sou sua cadelinha, sua putinha, goza... - ele gemeu mais alto e senti seu corpo todo retesar e suas mãos apertarem com força minha bunda, continuei cavalgando-o , pulando e sentindo-o bem fundo, dei uma paradinha e desci devagar sentindo até as bolas dele na minha bunda e com as coxas em volta do seu corpo fiz pressão com a buceta, fazendo-o gemer mais alto.Continuei bem rápido, fazendo ele gemer mais e ouvi aquele gemido avisando que o gozo está vindo.

Fechei os olhos saboreando o prazer, o tesão e gozo que se aproximava. Sentia suas mãos me conduzindo, enquanto atolava todo seu pau dentro de mim. Num gemido alto e forte senti Luke esporrar seu jatos de porra dentro da minha buceta , gozei junto com ele, sua porra e meu mel misturados. Gemi junto com ele, ouvindo sua respiração rápida, ofegante e seus gemidos. Abraçando-o dei-lhe um beijo bem gostoso, enquanto nossas mãos acariciavam o corpo do outro.

Senti seu pau amolecendo dentro de mim. Soltei meu corpo no seu, minhas pernas moles como gelatina e a parte interna da coxa meia dolorida de tanto sobe e desce. Deitei-me ao lado de Luke, sentindo minha respiração ir apaziguando aos poucos.

Ele virou o corpo de lado e colocou as pernas pra cima me encoxando na posição de colher. Não falávamos e nem nos mexíamos .

Após alguns minutos, senti seu pau duro de novo e um soprinho no meu pescoço.

- Ayeska...

- Humhum...

- Obrigada por ser minha instrutora...

- Humhum...não terminei com você ainda Luke...

- Não?

- Não...falta mais algumas coisinhas – ao dizer isso, senti sua ansiedade aumentando pela dureza da sua pica que agora se encaixava no reguinho da minha bunda.

Dei uma reboladinha pra ajeitar e assim deixa-lo mais tesudo!

Deitei de barriga para cima e olhando-o nos olhos:

- Faça agora o que tem vontade, o que seus instintos de homem desejam fazer comigo...

E ele o fez, segurou e apertou um seio e mamava o outro.

Minha excitação começou a se manifestar deixando minha buceta orvalhada, sentindo seu corpo pelado e quente encostado no meu.

Meu gemidos cheios de tesão , por sentir sua boca esfomeada em meus seios e bicos.

Abri as pernas, coxas, querendo ser penetrada e queria mesmo; já melada de tesão.

Levei a mão até minha buceta e com o dedo indicador comecei a dedilhar meu grelinho.

“Ahhh que delicia...como é gostoso...”

Peguei sua mão que segurava meu seio e fui levando em direção da minha buceta.

Nossa!!! Luke deu uma mexidinha com o pau ao sentir minha buceta meladinha de tesão. Eu deitada molinha com as pernas abertas, Luke, enroscado em mim, chupando os bicos do meu seio e com os dedos na minha buceta.

- Nossa Ayeska, dá até pra escutar o barulhinho da sua buceta de tão molhada...

Eu o sentia passar os dedos por toda a superfície, ia até o clitóris, ele beijava meu pescoço me arrepiando mais e mais de tesão. os biquinhos dos seios durinhos.

Ele enfiou um dedo, ficou mexendo um pouco, e voltou pro clitóris, começou a esfregar gostoso. Eu me entortava toda na cama de tanto tesão.

Luke começou a me beijar, sugava os bicos dos meus seios, seu pau roçava na minha coxa e eu o sentia duro, quente . Ele esfregava minha xoxota tão gostoso que meus quadris começaram a rebolar e gozei gostoso na mão e dedo dele.

- Ayeska você está molhadinha...- disse surpreso com o mel que escorria.

- Luke meu anjo, se nunca chupou uma buceta, vai aprender a chupar uma agora...

Senti seu corpo se deitar sobre o meu, seu pau encostando na entrada melada da minha buceta, a glande roçando do grelo até a entrada.

Ahhhhhhh adoro, fico louca quando sinto um pau roçando desse jeito minha buceta e esfregando com a ponta da cabeça meu grelo...Me deixa completamente louca!!!

Enquanto sua boca me beijava:

- Luke...ah Luke, vem chupa minha bucetinha, chupa...estou louca de tesão..vem chupa...quero sentir sua boca, sua língua na minha buceta...

Parando de me beijar, ele foi beijando e lambendo meu pescoço, meu colo, meus seios, minha barriga e foi descendo até chegar na minha xoxota.

Senti um arrepio e segurando sua cabeça e arreganhando minhas pernas e coxas senti sua boca na minha buceta. Luke começou a lamber e eu a gemer bem gostoso.

Sua língua era macia, grande e quentinha. Ainda segurando sua cabeça senti suas lambidinhas até que ele achou o clitóris e começou a sugar e esfregar a língua nele.

Ahh foi a minha perdição!!!

Ele fazia direitinho, com a voz rouca pedi que colocasse o travesseiro por baixo do meu quadril para ficar mais alto e a cabeça dele bem posicionada.

Me levava ao delírio completo, comecei então a rebolar e ele sugava, chupava, abocanhava minha buceta toda.

Eu envergava minhas costas para trás, enquanto ele voltava pro grelinho.

Eu rebolava mais rápido pra cima e pra baixo.

- Ohhhhhh Luke como você chupa gostoso, não para..não para que vou gozar...ahhh delíciaaaaaaaaaa!!!

Gozei em sua boca, ele lambeu tudo, chupava que fazia barulhinho.

Fechei os olho e curti aquela sensação prazerosa e única.

Adoro gozar, adoro ter orgasmos que me tiram os sentidos.

-Ayeska...ah Ayeska quero te fuder de novo, te comer, te devorar, você é gostosa demais.
Fiquei de 4 na cama :

- Luke tesão... o que está esperando? Mete em mim e me faça sua putinha de novo...

Arrebitei a bunda pra trás e senti seu pau pincelando a minha buceta.

Rebolei devagarinho e fui sentindo seu pau abrir as dobras vaginais, até que suas mãos seguraram meus quadris com força e ele numa estocada penetrou-me fundo.

Gememos juntos e gostosamente. Ele foi metendo sem dó. Eu, gritava e gemia pedindo para ele ir mais fundo.

Ele bombava , gemia e entrava mais fundo na minha buceta. Senti uma das suas mãos amassando meu seio e a outra firme no meu quadril.

Senti seu pau atolado e pulsando, percebi que ia gozar:

- Assim , mais forte, me arregaça no seu cacete, enfia tudo, enfia todo esse caralho em mim...ah...ah...isso....bomba mais...não para que tô quase gozando... vai mais forte...isso...ahhhh....ahhhhh, nossa que pica gostosa...soca tudo, atola essa rola com vontade...na sua putinha...ahhhh

Luke metia muito forte e bem rápido, como eu gosto, tirava ele todo e enfiava inteiro na buceta, bem rápido... fui gemendo mais....o pau dele ia até o fundo da minha buceta que o mastigava.

Olhei pra trás e vi que ia gozar.

Gemi e pedi :

- Mais rápido...mais...maaaaaaaiiissss...- e já fui gozando de novo ouvindo aquele gemido gostoso dele e senti o pau pulsando dentro de mim e sua porra enchendo minha buceta. Me larguei toda na cama e de bruços senti seu pau ainda dentro de mim.

O gozo foi tão intenso que amolecida dormi sentindo seu peso em mim, sua boca e respiração no meu pescoço. Sentia o gozo escorrendo e assim deitados dormimos.

*Luke meu anjo lindo, espero que tenha valido a pena a demora.Beijos doces!
Escrito por Ayesk@

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Fodendo a ninfetinha Yumi após uma gostosa massagem

Meu nome é Joseph Pierre Nadaud, tenho 55 anos, francês e já estou no Brasil há 20 anos. Tenho uma clínica de massagens e sou Massoterapeuta desde os 25 anos, tenho uma cartela de clientes considerável e sou muito responsável com meu trabalho, nunca usei minha profissão para saciar meu prazer carnal, pois com minhas mãos já toquei muitas pessoas, homens e mulheres, porém esta história mudou quando conheci Yumi.
Sou um homem bem casado, fiel e nunca senti necessidade de outro corpo além de minha mulher, foi então que numa segunda-feira, dia tranqüilo, era umas 10:00hs, eu estava na minha sala, fazendo algumas anotações, quando minha secretária bate na porta e entra, dizendo que a Sra. Sato estava ali. Ela é uma grande cliente, freqüentadora assídua, pedi que a mandasse entrar na sala.
Sra. Sato então entrou sempre muito simpática, nos cumprimentamos, e logo ela disse:
- Hoje o senhor vai ganhar mais uma cliente doutor, minha filha, Yumi. E atrás ela veio entrando, um pouco tímida, tinha o olhar doce, seu rosto tinha um desenho lindo, um corpo delicioso, usava um vestido branco curtinho com folhas de outono desenhadas por ele todo, seu cabelo era comprido indo até a cintura e usava uma bota de couro com salto alto e fino, deixando-a muito sexy. Abanando a mão, ela disse:
- Oi Doutor.
Meu olhar se perdeu pelo seu corpo e quase não respondi o “oi”, enquanto eu conversava com Sra. Sato, notava que Yumi me olhava de cima a baixo. Seu olhar me deixava tenso e nervoso, sentei-me com sua mãe junto a minha mesa para acertarmos um pacote de sessões para sua filha e enquanto isto, Yumi foi andando até a janela do meu consultório e se inclinando para olhar lá fora. Tenho um quintal bonito e florido que realmente surpreende a muitos. Conforme o vestido subia, eu admirava as pernas de Yumi e tentava me controlar para sua mãe não percebesse.
Yumi sentou-se no sofá e olhava distraída todo o consultório.
Sra. Sato assinava um cheque, e meu olhar se encontrava perdido novamente no corpo daquela ninfeta de pernas grossas e bem desenhadas. Nossos olhares se encontraram, minha tensão foi a mil, ela sorriu levemente e vi suas mãos segurarem seu vestido puxando bem devagar, exibindo suas coxas. Neste momento Sra. Sato me entregou o cheque e ajeitou sua bolsa, eu disfarcei a excitação.
Sra. Sato se levantou, deu um beijo na filha e disse:
- Vou fazer umas compras e dentro de 1hora eu volto pra te pegar.
- Cuida bem dela viu doutor? Sorrindo.
- Pode deixar Sra. Sato. Levei-a até a saída da clínica, e voltei para minha sala, e lá estava Yumi, andando, olhando tudo em volta.
- Muito bem Yumi, vamos começar? Ela virou-se pra mim sorrindo e indicando que sim com a cabeça.
Puxei então a divisória da sala (uma cortina), peguei duas toalhas colocando sob a maca, e disse:
- Enquanto eu preparo o óleo, por favor, tire sua roupa, pendure ali, deite-se na maca colocando as toalhas na altura dos seus seios e da cintura pra baixo, ok?
- Tudo bem, doutor.
Saí, fechei a divisória e fui preparar o óleo para massagem. A luz do sol que entrava pela janela desenhava a sombra dela na cortina, havia também uma fresta em baixo onde pude admira - lá tirando suas botas.
Humm! Que pezinho lindo!
Em seguida a vi desamarrar o vestido na nuca o fazendo deslizar pelo seu corpo, ela se abaixou o pegou e foi caminhando até o cabide, foi aí que numa real coincidência eu havia trocado o lugar do cabide no dia anterior, e estava logo no lugar que a cortina não ia, e a vi nua, nossa que corpo, bundinha redonda, seu cabelo comprido realçava mais ainda sua beleza, ela então se virou de frente, e me viu ali paralisado preparando óleo na pia. Olhei-a todinha, tinha a xaninha lisinha, peitinhos médios, perfeitos. Ela sorriu pra mim, e em seguida retornou, deitando-se na cama e colocando as toalhas. Eu balançava a cabeça, batia nela, me negando a cair naquela tentação. Em tanto tempo de profissão nunca me aconteceu isto.
Já com o óleo preparado fui até Yumi, e lá estava ela deitada na maca. Estava com os olhos fechados, meu olhar foi do seu pezinho, subindo por tuas pernas, barriguinha até sua boca, e então ela já não estava mais de olhos fechados, nos encaramos, o seu olhar desceu pelo meu corpo parando no volume que minha calça exibia, novamente ela deu aquele leve sorriso e fechou os olhos.
Então preparei minhas mãos com o óleo e comecei a passar eu seu corpo, massageando sua barriguinha e subindo, ouvi um breve suspiro, minhas mãos agora tocavam na altura de seus seios as pontas dos meus dedos roçavam na base deles.
Coloquei mais óleo nas mãos e agora massageava sua nuca, ela respirou fundo e seu corpo levantou um pouco o que fez a toalha que tampava seus seios, cair, nossa que peitinhos!! Quando fiz que fosse pegar, ela segurou meu braço, me olhou nos olhos, dizendo:
- Não precisa doutor, confio no senhor. Falou isto com aquele mesmo sorriso nos lábios, estava me provocando e estava conseguindo. Continuei massageando sua nuca e depois fui descendo as mãos por seus ombros, e voltei a massagear seu corpo na altura dos seios, e já meio perdendo a razão, fui arriscando levar minhas mãos por cima deles, não vi nenhuma resistência e fui arriscando mais, até que peguei aqueles peitinhos em minhas mãos, uhmmm! Comecei a apertá-los massageando bem gostoso, ela permaneceu de olhos fechados, comecei a ouvir um gemido leve, quando apertei seus biquinhos ela se contorceu dobrando as pernas e virando o corpo, o que fez a toalha que estava sob sua xaninha também cair (nem ameacei em pegar), e nossa era ela linda!! Sua menina era pequena e lisinha.
Fui descendo minhas mãos por seu abdômen, cintura, apreciando de perto sua menina, vontade de chupá-la naquela hora mesmo não faltou, mas desci massageando agora suas coxas grossas as apertando, e descendo por toda extensão de sua perna, até seu pezinho, onde a fiz se contorcer novamente.
Então pedi para que virasse e ficasse deitada de barriga para baixo, ela foi virando e enquanto isso, molhei minha mão com mais óleo, comecei a passar em suas costas, apertando bem gostoso, fui descendo. Ela tem uma bundinha linda e logo que cheguei perto a vi abrir um pouco mais suas perninhas e empinar seu bumbum, não resisti e comecei a passar, massagear e apertar aquela bunda gostosa em minhas mãos, descia massageando suas coxas, depois voltando em sua bunda, apertava forte. O tesão já me contaminava por inteiro e quase inconsciente enfiei um tapa na sua bunda, ouvi um gemido, mas ela permanecia ali deitada com os olhos fechados, enfiei outro tapa e ela abriu um pouco a perninha, segui massageando e agora meus dedos roçavam levemente na sua xaninha.
Meus dedos foram invadindo aos poucos sua xaninha e como não fui impedido comecei a esfregar meus dedos no seu grelo, massageando bem gostoso, ela estava ensopadinha! Comecei então a socar dois dedos na menina e agora ela já se segurava na beirada da maca, gemendo, ela não quietava se contorcendo, então deitei sob a cintura dela, a segurando firme e fui socando os dedos aumentando o ritmo e com força, ela ficou maluca, gemia forte, alto, e eu ali socando intensamente os dedos e com o dedão ainda comecei bulinar seu cuzinho, e então a vi gozar em meus dedos soltando um esguicho fenomenal, soltei-a e a vi entrar em transe, se sentou na maca de frente pra mim tremendo as perninhas e gozando bem gostoso.
Cheguei nela puxando seu cabelo, beijei sua boca, ela correspondia muito bem, a safadinha estava querendo rola mesmo, pois rapidamente senti sua mão apertando meu pau por cima da calça enquanto a beijava. Abriu o meu zíper e puxou meu pau pra fora me masturbando, pedi pra ela sair da maca e se ajoelhar, ela então começou a fazer manha não queira chupar meu pau. Aí o sangue ferveu! Segurei em seu cabelo puxando com força, a fiz levantar, sair da maca e se ajoelhar no chão, fui levando meu pau na sua boca, ela ficava com a boca fechada. Enfiei um tapa no rosto dela mandando abrir a boca, e puxando seu cabelo. Ela abriu então fui colocando meu pau na sua boca e segurando sua cabeça fui estocando meu pau, metendo na sua boquinha forçando até o fundo, ela engasgava em alguns momentos, depois ali no chão mesmo a coloquei de 4 e sem pedir permissão fui estocando minha rola na sua xaninha, metendo forte, nossa apertadinha, uma delicia, e ela gemia muito gostoso, eu apertava seus peitinhos, os biquinhos deles, enquanto metia, puxava seu cabelo virando seu rosto e brincava com sua língua, e fui metendo até não agüentar, quando senti que ia gozar tirei meu pau pra fora, cheguei até o rostinho dela me masturbando e jorrei um forte jato de porra na sua carinha, ela fez cara de nojo, mas a obriguei a abrir a boca e chupar meu pau, e ela fez, chupava muito bem, e até se empolgou (aprendeu a gostar de chupar ou só tinha feito manha antes) e não parava de chupar deixando meu pau durinho novamente na sua boca e me fez gozar novamente, engolindo tudinho, me olhava com cara de satisfação.
Limpei-a todinha e ficamos namorando pelados em cima da maca, até ouvir a voz da sua mãe na recepção.
Foi demais!
Aquela japonesinha me tirou do sério, perdi minha razão e não vejo a hora do seu retorno.

Escrito por SenhorDosContos

terça-feira, 1 de setembro de 2009

A Dama da Lotação

Vou contar a vocês um fato muito gostoso e inesperado que aconteceu comigo semana passada, me chamo Jonas, tenho 18 anos, e até antes do que vou contar eu era um virgem, sou muito tímido, isto dificulta minhas investidas com as mulheres, estava eu voltando do trabalho as 23:30hs, peguei o Ônibus, me sentei sozinho nos bancos mais a frente, havia somente algumas pessoas no fundo, passado uns 30min, entra em uma mulher espetacular, deveria já ter seus 40 anos, mas tinha um corpo impecável, pele branca, cabelos ruivos, vestia saia jeans curta, com umas rosas bordadas, uma blusinha branca com um decote em V até a base dos seus seios que eram fartos, e aquele decote valorizava mais ainda, pareciam que iam sair pra fora a qualquer instante, nos pés ela usava sandálias brancas de salto médio, com algumas tiras, linda, deliciosa, só de vê-la não consegui segurar minha excitação, meu pau crescia dentro da minha calça.Ela passou da catraca, veio andando, eu não tirava os olhos dela, e acredito que eu deveria estar com uma cara de bobo, pois ela olhou pra mim, sorriu, e neste momento quase enfartei, ela veio até mim me perguntou: "moço, você sabe onde fica a Av. São João?", ela perguntava com um sorriso gostoso, e vi seu olhar desviando para o meu pau, e voltando a me olhar nos olhos sorrindo, eu não acreditava que ela estava falando comigo, e meio a gaguejos respondi que sabia, e ela disse que sentaria ao meu lado e quando chegasse, eu a avisaria, concordei.Quando ela sentou ao meu lado aquela saia subiu um pouco, e nossa que pernas, eu estava louco, muito gostosa, aproveitei pra olhar pelo decote aqueles seios, e uhmm, quase poderia se ver os bicos, ela estava sem sutiã, e foi neste momento que ela olhou pra mim, e me pegou admirando seus seios, sorriu, eu muito tímido, virei pra frente, depois fiquei olhando a rua pela janela, e não tirando ela da cabeça, meu pau até doía, pois estava extremamente duro, dentro da calça, afinal são 20cm de rola, pena que minha timidez não me deixa usá-la como deveria.O celular dela tocou, e ouvi ela dizendo já de inicio "oi meu amor, já estou chegando .... ah e achei mais um, vai ser fácil e rápido", me virei pra ela, e vi uma aliança em seu dedo, puts, era casada, vi ela falando no celular, virando-se pra mim, e sorrindo e seguida uma piscadinha, fiquei vermelho voltando a olhar pela janela, ela falava no celular, disfarçadamente olhei a novamente, meu olhar desceu para seus seios, ai que veio a surpresa, um deles estava praticamente de fora, eu via seu biquinho tranquilamente, nossa que vontade de agarrá-lo ali mesmo, chupar bem gostoso, quando ela terminou de falar no celular, me virei pra frente, olhava a janela, foi então que senti uma mão a apertar meu pau por cima da calça, olhei pra ela, e estava com uma carinha de safada, eu ia falar pra ela ... porém ela colocou um dedo na minha boca, me pedindo pra falar anda e no meu ouvido disse "não fala nada, garoto, curta o momento", e ela ia abrindo o zíper da minha calça, colocou a mão lá dentro, tirando meu pau pra fora, e fez uma carinha de satisfeita ao vê-lo, eu só a olhava, ela começou a me masturbar, e ao mesmo tempo levou seus lábios nos meus,uhmm como eu precisava daquilo, nos beijamos, depois ela se ajeitou no banco novamente, e foi abaixando as alças da sua blusinha, deixando seus seios de fora, e falando "você gostou deles?", eu balançava a cabeça indicando que sim, e ela "então vem garotão....são seus", e me puxou pela nuca, e logo fui mamando naqueles peitos gostosos, apertando eles, chupando-os, ela acariciava meus cabelos, e inclinada gemia baixinho no meu ouvido, eu mordia levemente seus biquinhos, e ela me chamava se safadinho, e chupava, depois ela me puxou, me jogando de volta pro meu lado mesmo, se abaixou, e colocou em seus lábios a cabeça do meu pau, chupando, lambendo ela com sua lingüinha, depois engolindo meu pau, e chupando-o com sede, acariciava meu saco, e chupava , bem gostoso, depois ela voltou a sentar-se normalmente, ajeitando sua blusinha e mandou eu guardar meu pau, não entendi nada, e a alturas do campeonato eu tava tarado, no entanto que tentei enfiar a mão nos seus peitos, e ela bateu na minha mão falando que não, puts, que filha da ... Ela me pegou pelo braço, falando vamos descer no próximo, eu estava dominado por aquela mulher desconhecida, que eu não sabia nem o nome e já tinha chupado os peitos dela, tudo aquilo pra mim era muito estranho, descemos do ônibus, era uma rua mais escura, e ficava a uma quadra da Av São João onde ela disse que iria descer, ela me puxou pelo braço, até um canto que ficava entre um prédio e outro, estava escuro, e percebi que ali tinha alguns mendigos dormindo, chegando lá, ela me puxou pra ela, me beijando, desabotoava minha camisa, a tirando, desceu beijando meu peitoral, abdômen, e foi desfazendo o cinto da minha calça, desabotoou-a, abaixou o zíper, e abaixou ela junto com minha cueca, e logo passou a chupar meu pau que ainda estava duro feito pedra, chupava e me punhetava, depois ela se levantou, ficou de costas pra mim, levantou sua saia, e nossa, a safada estava sem calcinha, meu corpo se arrepiou todo, e ela disse, vai garotão, me fode, não tenho muito tempo, fui levando meu pau em direção aquela buceta, antes passei meus dedos nela, estava molhadinha, esfreguei eles ali, ouvi ela gemer, e falando "vai...vai", segurando meu pau, coloquei na entradinha, e fui entrando, entrando.... e ela pedia "vai seu merda, enfia tudo", aí fiquei puto, soquei minha rola de uma vez, ela deu um gritinho, e logo fui bombando, bombando, forte, ela gemendo, olhei pro lado vi um mendigo nos olhando rindo e batendo punheta, e eu metia, estava louco, e ela pedia pra não parar, a rua estava deserta com um carro preto parado do outro lado da rua, aparentemente sem ninguém dentro, e eu metia naquela vagabunda, sem dó, e encarnou em mim um cara tão tarado que comecei a enfiar uns tapas na sua bunda, fortes, e apertando-a, minhas mãos puxaram sua blusinha pra baixo com força que arrebentou as alcinhas, e logo eu agarrava aqueles peitos, apertando seus biquinhos, e bombando com força, e bombando .... até não agüentar mais, e soltar um puta jato de porra, acumulado por este anos todos, aquela porra toda dentro dela descendo por tuas pernas, e ela rebolava, depois ela colocou uma mão no meio peito e me empurrou com tanta força que por estar ainda com as calças nos meus pés, cai no chão, ela abaixou a saia, olhou pro outro lado da rua sorrido, e pra minha surpresa havia um cara agora encostado no carro, com uma câmera, gravando tudo, ela foi andando até ele e ouvi ela dizendo "gravou amor? ficou bom?"... ele respondia que sim, você sempre consegue pegar um né amor? ele falava. Os dois se beijaram, reparei a aliança na mão dele também, fiquei ali no chão, pelado, com o mendigo rindo da minha cara e com o pau todo melado de porra, os dois entraram no carro, ela ainda abaixou o vidro, e mandou um tchauzinho pra mim, com aquele sorrido safado, fiquei sem entender nada, mas eu tinha acabado de perder a virgindade, e agora tinha a certeza que uma nova fase de minha vida iria começar, me levantei, ajeitei-me, e quando o ônibus passou, pude ir embora, com tudo aquilo que passei na cabeça.

Escrito por
SenhorDosContos